05 maio 2011

Meio corte de cabelo

Sempre temos nosso cabeleireiro favorito. Quando mudamos de endereço logo damos um jeito de achar outro que nos agrade. 
Foi isso que aconteceu comigo. Quando mudei de cidade para fazer faculdade tive que escolher outro cabeleireiro. Mas não tive muitas alternativas, pois quando recebemos o trote e nos deixaram com tufos de cabelos de uma forma grotesca, eu e meu colega de quarto Israel tivemos que ir ao cabeleireiro mais próximo para arrumar aquilo. Óbviamente que ninguem queria andar muito com os cabelos daquele jeito.

E eis que nos informaram sobre o Blade Cabeleireiro, bem perto do nosso ap. Então fomos até lá para passar o zero e arrumar aquela desgraça. Dia triste... meu cabelo...

Antes de chegar fiquei imaginando um cara de capa preta, óculos escuros e um salão escuro... é que a gente acaba associando o nome do filme com o personagem... mas não sei porque a realidade tem que ser tão chata.

O cara era normal (ah, vá), gente boa, cortava o cabelo de muitos ali por perto. Passei a cortar com ele. Tudo correu relativamente bem...

Mas essa não é a história. A história é a seguinte:

Depois de três longos anos cortando o cabelo com ele, eis que acontece algo muito inusitado. Já era o último ano de faculdade e lá estava eu de novo, naquela que seria a última vez que colocaria os pés dentro daquele salão. Era sexta-feira, fim de tarde. Talvez fosse dia 13 e eu estava com azar...

Eu não gostava muito de conversar durante o corte, porque achava o cara muito distraído e temia que o corte ficasse ruim. Então não conversava muito. Mas aquele dia era diferente, havia algo estranho no ar. Cheguei, tirei meu óculos (sou míope), coloquei no balcão em frente ao espelho e sentei na cadeira. Ele começou a cortar e falar de seus problemas de saúde, que tava com Diabetes, tinha que se cuidar mais, estava muito relaxado, e tal. Fiquei com dó e resolvi dar corda pra conversa. Continuei os assuntos. Conversamos, e ele cortava meus cabelos normalmente. Devido a conversa o corte demorou mais do que de costume, mas não tinha problema, não tinha ninguem na fila, e já era perto das 6:00, o salão ja iria fechar.

Quando ele acabou peguei meu óculos e fui pra casa. Durante o caminho, arrumando o cabelo, percebi alguma coisa estranha: esperei para chegar até o apartamento e olhar no espelho. Cheguei... Olhei... O CARA TINHA CORTADO SÓ DE UM LADO!

A metade direita da minha cabeça estava com os cabelos curtos, arrumadinho, com o "pézinho" feito; e o lado esquerdo comprido, com os cabelos por cima da orelha! E como eu tirei o óculos, não consegui enchergar nada durante o corte; e estava tão acostumado a cortar com ele e com um pouco de pressa, que não conferi depois que acabou. E o pior: não deu tempo de voltar pra ele arrumar, já era depois das seis horas de Sexta-Feira!

Eu não acredito que possa acontecer isso com mais alguem! O que eu fiz? Não o que eu fiz pra merecer isso; mas o que eu fiz pra solucionar o problema? Tive que cortar a metade esquerda em casa. Eu não ia esperar até segunda, tinha um monte de compromissos sociais, como eu iria daquele jeito? Então peguei a tesoura e comecei a cortar e comparar com o lado direito.

Terminei. E até que tinha ficado bom. O problema é que alguns colegas percebiam. Um dia a Lari perguntou: "Oh Fer, seu cabelo ta estranho... O lado direito ta diferente do lado esquerdo!" E todo mundo: kkk

Putz, que vergonha, e queria ver ela acreditar na história...

Ps: Algum dia eu volto pra pegar metade do dinheiro...

Um comentário:

Comente o que achou da postagem ou conte-nos algo!