20 dezembro 2011

O mistério da "Placa"

Eu moro em uma cidade pequena, e como toda cidade pequena aqui também há poucas opções de lazer e diversão. Mas isso nunca foi um empecilho para nossa criatividade e senso de aventura. Para sanar essa falta de diversão e aventura eu e meus amigos (e amigas) usávamos a criatividade e inventávamos alguma coisa para fazer. 

Andar de bicicleta sempre foi uma boa opção. Enquanto a ideia corrente de diversão era, e ainda é, beber com os amigos em algum barzinho, nós nos rebelávamos contra esse senso comum e saíamos atrás de aventura, boas histórias e muitas risadas.

Á noite subíamos em um lugar que apelidamos de Morro. Era uma colina com gramado, algumas belas árvores e algumas grandes rochas. No começo subíamos porque era um lugar muito bonito, tanto de dia quanto à noite. Depois começamos substituir outras atividades pelo prazer de estar lá. A liberdade que tínhamos no Morro era única. Fazíamos o que a gente bem entendesse: podíamos brincar de verdade ou consequência, fazer uma fogueira para contar histórias arrepiantes, ter aquelas boas conversas entre amigos, contar histórias, discutir assuntos, ter uma noite romântica com nossas ficantes, e até ouvir música, tudo isso vendo a lua nascer e observando as luzes da cidade logo abaixo. 

O que me traz um tipo de nostalgia é a lembrança daquelas noites quentes, a lua cheia, os amigos, aquele mar de luzes da cidade lá em baixo, aquele vento soprando constante, as estrelas acima... pra mim era um sentimento de alegria por estar ali e de contemplação.

Durante nossas subidas no Morro e nossas "voltas" de bicicleta pela estradinha, que passa logo abaixo dele, nós começamos observar um tipo de estrutura no horizonte, à Leste. Ficamos intrigados com o que seria aquilo. Começamos a especular: poderia ser uma "placa" daquelas que passam por cima das estradas, um tipo de silo para estocagem de grãos... "o que poderia ser?".

Mas sem um binóculo ou algo do tipo ficava difícil distinguir o que era aquilo. Então, durante a graduação em Ciências Biológica, emprestei de uma colega da faculdade o seu binóculo. A primeira coisa que fiz quando cheguei em casa foi ir até a Estradinha para observar aquela estrutura mais de perto que, à olho nu, parecia ser uma placa, por isso apelidei-a de "a Placa". 

Com o binóculo foi possível observar que a estrutura não é plana como uma placa, ela parecia ter quatro pilares enrolados por duas faixas. 

Nessa época eu e meu amigo Elizandro discutiamos muito a respeito da "Placa" e chegamos até a fazer uma aposta: eu disse que era um tipo de placa, e ele apostou que era qualquer coisa menos uma placa. Eu sei, eu sei. Foi foi uma aposta muito injusta. Mas estava valendo apenas R$ 1,00 e o meu objetivo era aranjar um incentivo para descobrirmos o que era aquilo.  

A aposta ocorreu a mais ou menos 7 anos e a Placa ainda está lá, do mesmo jeito! Assim como a aposta!

Alguns meses atrás, quando o Elizandro veio passar uma semana em Capanema, nós voltamos a falar sobre a "Placa", quando estávamos passando pela Estradinha. Mas dessa vez eu estava com uma câmera superzoom, que utilizo para fotografar pássaros. Dessa forma eu registrei a Placa e posso colocar no blog para todos opinarem. 

Mas meu plano é estimar a distância e o local da Placa e pegar a moto e desvendar este mistério; e claro, ganhar ou pagar R$ 1,00 da aposta.

Foto: A "Placa". Arquivo Pessoal

O que é isso? Foto: A "Placa". Arquivo Pessoal

Ps: Eu sei que a "Placa" provavelmente é alguma estrutura trivial, com a única diferança que está sendo vista de um ângulo e distância que causam um tipo de distorção, de ilusão de ótica. Mas, mesmo assim, seria muito interessante descobrir o que realmente ela é. 

18 outubro 2011

Porque rezar, rezar pra quê?

Eu não rezo. Muitas pessoas ficarão indignadas e não continuarão a ler este post. Eu estou acostumado com isso e acho muita covardia e desonestidade intelectual. Como alguém pode ficar com medo de ler, ouvir ou pensar algo simplesmente porque vai contra suas convicções? Mas mesmo que você discorde de minha posição, tente ler a postagem até o final para depois tirar suas próprias conclusões.

Eu não rezo por muitos motivos, alguns complexos, outros bem simples. Primeiro, eu não rezo porque rezar é algo extremamente egoísta. Sim, é egoísta. Pense bem: a maioria das pessoas, que conheço e que vejo na cultura geral, (filmes, seriados, literatura etc.) rezam para conseguir se autorrealizarem. Rezam para conseguir uma geladeira nova, uma promoção no emprego, ir bem em uma prova etc.. As vezes os pedidos são muito banais, as vezes um pouco mais complicados, as vezes são altruístas mas na grande maioria das vezes é algo muito egoísta.

Eu fico refletindo: porque alguém deve pensar que Deus vai ajudá-la a comprar uma geladeira nova enquanto não ajuda milhares de crianças que estão morrendo de fome na África? Ou porque ele ajudaria você a conseguir um bom emprego, ou a comprar um tênis da Nike, ao invés de acabar com a guerra civil na Somália? E ainda há a possibilidade de não existir nenhum deus para nos ajudar. E mesmo que exista o que leva as pessoas a pensarem que ele fica de olho em nós, ajudando uns e destruindo a vida de outros?

Alguns dias atrás vários jornais noticiaram uma história trágica. Um rapaz percorrendo uma estrada em Chapecó sofreu um acidente e ficou desaparecido por 5 dias. Um grupo de estudantes que passava no local viu o rapaz e acionou o corpo de bombeiros. Incrivelmente o rapaz ainda estava vivo. Ele teve um braço amputado e está em coma. Mas o curioso é a família declarar que foi um milagre ele ainda estar vivo. Disseram que ele tinha uma medalhinha da Nossa Senhora Aparecida e foi encontrado no dia 12, dia dessa santa. A noticia pode ser lida clicando aqui.

Eu fico impressionado com a suspensão da racionalidade que ocorre nas pessoas quando o assunto é religião. Porque a santa não evitou o acidente ao invés de socorre-lo 5 dias depois? Porque ela não fez com que alguém ajudasse antes?

Quando ocorre alguma tragédia e morre muita gente, como o 11 de Setembro é normal haver sobreviventes. Mas sempre se fala em milagre. "Foi um milagre que fulano ou sicrano sobreviveu", "rezei o tempo todo e saí com vida", "Deus me salvou". Será que ninguém pensa nos muitos que morreram? Quem sobreviveu foi o escolhido por Deus? Nesses casos todo sobrevivente se acha especial, se acha o escolhido. Nunca pensam que pode ter sido um golpe de sorte apenas? Simplesmente os sobreviventes estavam no lugar certo no momento certo, o que ajudou-o a sobreviver. Com tanta gente em tanto lugar é óbvio que alguém vai estar no lugar certo naquele momento; é uma questão de estatística!



     Fé. Não tão eficiente quanto 2 polegadas de vidro a prova de balas.

Eu sei quais são as tentativas de "explicações" que as pessoas dão. Elas dizem que Deus não interfere no livre arbítrio, mas sim ajuda quem merece. Dizem que foi o homem que "escolheu" comer da fruta proibida... Essas explicações são simplesmente insanas.

Se Deus é todo poderoso, sabe tudo e está em todos os lugares então antes de fazer o universo e fazer o homem ele saberia que nós iríamos comer da fruta proibida e assim viver em um mundo de sofrimento. Então, dessa forma, é como se ele quisesse que fosse assim!

Para começar a definição de Deus não deixa margem para explicações. Sabe porque? Porque ele sendo onisciente, onipotente e onipresente faz tudo ser direta ou indiretamente controlado, pensado e projetado por Ele. Sendo assim, eu acho, que se existe algum tipo de Deus ele é muito cruel!

Mesmo que alguém argumente que a felicidade extrema será após a morte, mesmo assim as coisas poderiam ser diferentes. Se eu fosse um Deus eu faria do mundo um lugar sem tanto sofrimento. Eu nunca iria punir alguém simplesmente por usar sua inteligência e não acreditar em mim (se eu fosse Deus). E nunca deixaria de alimentar uma pobre criança para dar milhões para algum banqueiro ou político... Mas é lógico que todas essas coisas não tem nada a ver com deus algum, tem a ver com política, desigualdade social, história, etc.

Se eu visse qualquer crueldade e tivesse o poder de evita-lo, certamente eu faria! Eu nunca pensaria em deixar outra pessoa sofrer para "aprender" alguma lição ou qualquer outro motivo. A omissão também é um crime! É pior do que quando não temos o poder de interceder. Se deus tem o poder de interceder porque ele é omisso?

Eu descobri que as pessoas simplesmente não pensam quando o assunto é fé. Para qualquer outra coisa nossa inteligência pode ser aguçada. Mas quando entramos no quesito religião tudo fica confuso, irracional.

Vou parar de escrever e deixar o leitor pensar sozinho. Pense, pense, pense...

23 setembro 2011

A soma da felicidade

No geral, para qualquer pessoa que tenha muito pouco, em relação a bens materiais, qualquer pouco pode lhe fazer feliz. Já, no geral, para quem tem muito, é necessário muito mais, do que a primeira pessoa, para lhe fazer feliz. 

Isso é uma psicologia bem difundida. Nós somos assim. Quando eu era criança, qualquer coisa que ganhava ficava extremamente feliz, pois não tínhamos muito. Quando nossa situação melhorou um pouco, já fiquei um pouco mais exigente... Uma pequena diferença aconteceu comigo, que mesmo melhorando um pouco de vida, continuei dando valor para as coisas mais simples; talvez uma herança daqueles tempos. 

Mas, voltando ao assunto, a mesma analogia se faz para coisas não materiais, coisas mais abstratas, como sentimentos, momentos difíceis causados por transtornos diversos em relação, por exemplo, ao trabalho, estudo, saúde ou relações pessoais. Em uma fase ruim da nossa vida, qualquer boa noticia pode trazer maior felicidade do que se estivéssemos passando por um bom momento. Acho que isso é verdade para a maioria das pessoas... 

Em se tratando da felicidade trazida pela boa noticia, isoladamente, acho que já ficou claro que ela é maior em um momento mais difícil, do que em um momento bom. Isso em relação apenas à felicidade trazida pela boa noticia. Mas em relação à felicidade global de cada momento: a soma da felicidade propriamente do momento, bom ou ruim, mais da felicidade trazida pela boa noticia? 

Nós podemos tentar medir essa felicidade. Mas você pode argumentar, corretamente, que é difícil medir a felicidade de alguém, que é algo muito complexo, que depende de cada pessoa, depende do tipo de noticia, etc. Então, para sermos mais precisos vamos isolar as variáveis. Supomos que a noticia seja a mesma e que a pessoa também, apenas a fase será diferente (uma ruim e uma boa). E supomos que fizemos esta medição com milhares de pessoas e tiramos uma média da felicidade global de todos, nos dois momentos: um momento ruim e um momento bom na vida desta pessoa. Então, em qual momento esta pessoa seria mais feliz?

Minha teoria é de que ela seria mais feliz quando recebe uma boa noticia em um bom momento de sua vida.

O motivo de eu ter essa teoria é o seguinte: Felicidade momentânea causada por uma noticia boa em um momento ruim vai apenas amenizar a tristeza (ou falta de felicidade) em que esta pessoa está passando. Se somarmos a felicidade positiva (da noticia) com a negativa (do momento ruim) então boa parte da felicidade se anula. Já no momento bom, se somarmos a felicidade da noticia (positiva), que neste caso é menor em amplitude (porque no momento ruim a boa noticia faz a felicidade ser maior, como foi discutido anteriormente no texto) com a felicidade (positiva) do momento, as duas felicidades se somam. Mas será que a amplitude da felicidade da noticia no momento ruim não compensa? Não sei. Por isso que falei que é a minha teoria. Seria necessário realizar o teste proposto anteriormente e achar um jeito confiável de medir a felicidade em cada situação para termos certeza. 


Mas mesmo assim, o Instituto Gallup, um dos mais conceituados do mundo, fez uma pesquisa constituída de entrevistas realizadas entre 2005 e 2009 e concluiu que o Brasil é o 12º país mais feliz do mundo.

Primeiro, eles pediram aos voluntários para analisar sobre a satisfação geral com suas vidas, e em seguida, fizeram perguntas sobre como cada sujeito se sentiu no dia anterior. As perguntas levavam a classificar os entrevistados em três graus de satisfação, indo da felicidade ao sofrimento. As respostas permitiram aos pesquisadores avaliarem os níveis de satisfação em cada País. 

Os pesquisadores "chegaram à conclusão que a resposta no que diz respeito à satisfação geral estão relacionadas com a riqueza do país. Mas, no que diz respeito ao passado recente, ela reflete mais a satisfação das necessidades psicológicas e sociais, e não necessariamente o bem estar econômico. 


Veja o ranking dos países mais felizes e os mais infelizes do mundo:

Felizes:

1º. Dinamarca (Europa)
2º. Finlândia (Europa)
3º. Noruega (Europa)
4º. Suécia (Europa)
5º. Holanda (Europa)
6º. Costa Rica (Ámerica Central)
7º. Nova Zelândia (Oceania)
8º. Canadá (Ámerica do Norte)
9º. Israel (Ásia)
10º. Suiça (Europa)
12º. Brasil (Ámerica do Sul)

Infelizes:

1º. Togo (África)
2º. Burundi (África)
3º. Comores (África)
4º. Camboja (Ásia)
5º. Serra Leoa (África)
6º. Burkina Faso (África)
7º. Ruanda (África)
8º. Níger (África)
9º. Haiti (Ámerica Central)
10º. Benin (África)

Fonte: Gallup 


10 agosto 2011

Kindle DX ou 6 polegadas? Ou Ipad?

Depois de muita pesquisa para escolher entre o Kindle DX e o 6 polegadas formei minha opinião a respeito do assunto. Depois fiquei na dúvida entre o DX e o Ipad. E depois de muita pesquisa e reflexão comprei o DX. Agora, um mês usando o Kindle, ja posso dar meu veredito sobre minha escolha e se realmente compensa comprar um leitor de e-books genuíno ou outro tablet.


O Kindle é um tablet feito essencialmente para a leitura. Sua tela e-ink é feita de uma tinta eletronica, onde uma carga elétrica determina a posição da tinta nas microesferas que compôem a tela. Depois que a tinta forma a imagem a corrente eletrica cessa. Isso faz com que o Kindle (e outros leitores com a mesma tecnologia, como o Kobo) seja muito econômico. Essa foi uma caracteristica muito importante para a minha escolha entre o Kindle e o Ipad. Enquanto a bateria do Ipad dura 8 horas o Kindle pode ficar mais de uma semana sem recarga; se usa-lo para leitura de 2,3 horas por dia e deixar o wireless desligado a bateria dura até 1 mês! Outra caracteristica importante para o usuário é em relação ao conforto visual: nada supera o Kindle, pois não emite luz; maior conforto do que isso é impossivel. Essa é outra caracteristica importante para a escolha entre os dois tablet. Com o Kindle é possivel ler durante horas sem cançar os olhos. No Ipad, assim como no PC isso é impossivel. E a caracteristica primordial entre a escolha de um leitor de e-books é a distração. Se o tablet possui muitas funções isso distrai sua atenção e você faz tudo, menos ler. Nesse quesito o Kindle cumpre com sua função primordial, e outro ponto a menos para o Ipad como leitor. Em outros quesitos, obviamente, o Ipad ganha de longe. Mas aqui a comparação é em relação à leitura.


O Kindle lê em pdf, mas se você quiser transforma-lo para o formato da amazon, o .amz, é só anexar os livros e mandar por e-mail para a amazon que 5 minutos depois você recebe os livros convertidos, gratuitamente. A conversão as vezes é necessaria para facilitar a pesquisa de uma palavra, para grifar uma sentença, aumentar ou diminuir a tamanho e a quantidade de palavras por linhas, postar uma passagem do livro direto para o twitter etc. Outra facilidade é a loja da Amazon, é muito facil comprar um livro pelo Kindle e muito barato tambem. A compra é feita com apenas um clique e você recebe o livro pela rede 3G ou Wireless na hora, diretamente no Kindle. Muitos livros custam 3, 5, 10, Dólares. Muito menos do que o impresso. Um detalhe importante é que é possivel entrar na internet de qualquer lugar pela rede 3G sem custos! E tambem dá para ouvir musica enquanto lê. Neste quesito o que achamos estranho no começo é que não é possivel trocar de musica, elas tocam de acordo com a ordem que você coloca na pastinha. Apesar que se fosse diferente tiraria mais a atenção sobre a leitura. 

Com isso, se você quer um tablet essencialmente para leitura, um Kindle, de preferencia DX, é o mais indicado.  

Todo mundo fica em dúvida em comprar um Ipad ou Kindle, porque seria muito bom aliar um bom leitor digital com todos os outros recursos do micro. Aqui vai uma dica para a Apple: poderiam fazer um Ipad que possuísse uma tela hibrida, multi touch screen e-ink. O Ipad teria um botão que acionasse a tela e-ink e se transformasse em um genuíno leitor de e-books... Mas pensando bem será que resistiríamos às fantásticas funcionalidades do Ipad? Talvez usariamos o botãozinho do e-ink menos do que se tivéssemos um Kindle.

Tenho que falar que o Kindle DX superou minhas espectativas. Talvez porque vi o pessoal falando mal dele na internet. Tudo por causa do pdf. E minha principal dúvida foi por causa disso. Eu queria o Kindle principalmente para ler pdf e com isso estava pesquisando se o DX realmente é bom com esse formato. Por experiencia própria: sim, é bom! Não é perfeito como gostaríamos, mas é só virar ele de lado que fica muito bom. Ou da para dar zoom em uma parte e controlar com o botão direcional. Da para ler tranquilo. Uma dica é fazer pdf pelo Word. Qualquer livro que você tenha no PC, ou resumo, artigo etc., é só copiar para o Word, arrumar e salvar em pdf. Mas na hora de salvar em pdf tem que ir em Opçôes e marcar a caixa "compatível com ISO 19005-1 (PDF/A). Isso faz com que o pdf apareça no Kindle da forma que se vê no computador. Se não marcar a caixinha ISO o documento vai ficar com as letras tipo datilografadas e bem fracas.

Mas será que o Kindle 6 polegadas não é melhor, no custo-benefício, do que o DX? Não! Eu ja acho a tela do DX pequena, imagina 6 polegadas! Vi em um site o cara falando que algumas desvantagens do DX é a dificuldade para segura-lo, o peso, e que ele chama muita atenção... Nenhum destes argumentos procede. Não, porque você se adapta rapido. Você terá os mesmos "problemas" que se tivesse lendo um livro de papel. Existe uma dificuldade em digitar, isso sim. Mas a verdade é que apenas a tecla "enter" e o "aA" são os mais usados; na maior parte do tempo você apenas lê. Para a leitura deitado fica uma dica: da para apoiar o Kindle na cama e fixar a tela na vertical, para não mudar para a horizontal com o acelerômetro. Em relação ao peso, ele é menor do que um livro médio, e o tamanho não é tão grande ao ponto de chamar atenção. Eu uso em todos os lugares e dificilmente alguem pergunta o que é. Hoje em dia ninguem mais se surpreende com tablets. E chamar atenção não é necessariamente uma desvantagem para muitas pessoas.

Por enquanto minhas criticas são em relação a outros aparelhos. Depois que vi o que o Kobo é capaz de fazer comecei a ser mais critico com o Kindle. O novo Kobo possui tela e-ink touch screen. E saiu outro leitor com tinta eletronica colorida. E recentemente saiu a nova família de Kindles. Todos com telas de 6 polegadas, touchscreen e muito (mas muito) baratos! Saiu também o Kindle Fire, baratíssimo, muito bom e concorrente direto do Ipad. Mas a Amazon continua vendendo os Kindles sem touch, e sabe porque? Porque muita gente come enquanto lê, ou faz outras coisas com as mãos e acham desconfortavel ter que tocar na tela para mudar de página... E além de tudo o DX continua sendo o único que possui tela de 9,7". Por tudo isso ainda estou muito satisfeito com meu DX.

Outra coisa que andei lendo nos fóruns de discussão é que o pessoal lê mais depois que comprou o Kindle do que antes. Isso procede! Parece que a Amazon acertou em limitar a internet, tirar o controle da troca de musicas etc. Com o Kindle eu leio muito mais do que antes dele. Além do mínimo de distração, o que ajuda é a grande disponibilidade de livros, temos uma biblioteca dentro de um aparelinho.

Depois dessa breve analise sobre os Kindles e o Ipad, fica algumas reflexões e máximas:

Por mais que eu goste dos tablets leitores de e-books, eu desejo que o livro de papel nunca acabe. Eu adoro o cheiro de livro novo, de folhea-lo e de entrar em uma livraria e ficar olhando todos os livros. Eu trato o Kindle mais como um complemento, uma facilidade, que auxilia nos estudos e no prazer da leitura, mas nunca vou parar de comprar livros impressos (já não tenho tanta certeza disso)*.

O Kindle DX é perfeito para os concurseiros e universitários. Para algumas pessoas os Kindles de 6" touch sirvam, tudo depende do que o usuário espera do aparelho.

E tirando o quesito leitura, o Kindle e o Ipad não se comparam, se eu tivesse dinheiro teria os dois e não só o Kindle.

Talvez a melhor utilidade para o Kindle seja a assinatura de jornais; muito mais acessivel e prático.

Existe um programa que baixa noticias de jornais, blogs, livros, musicas, converte tudo e coloca automaticamente no Kindle. Programa extremamente útil. É o Calibre - E-book management.

Novas dicas eu atualizo o post, abraços!

*Estou atualizando o post hoje, dia 20/10/2011 e minha opinião mudou em apenas um quesito: acho que o fim do livro em papel é só questão de tempo... apesar de eu gostar do cheiro de livro novo...

05 maio 2011

Meio corte de cabelo

Sempre temos nosso cabeleireiro favorito. Quando mudamos de endereço logo damos um jeito de achar outro que nos agrade. 
Foi isso que aconteceu comigo. Quando mudei de cidade para fazer faculdade tive que escolher outro cabeleireiro. Mas não tive muitas alternativas, pois quando recebemos o trote e nos deixaram com tufos de cabelos de uma forma grotesca, eu e meu colega de quarto Israel tivemos que ir ao cabeleireiro mais próximo para arrumar aquilo. Óbviamente que ninguem queria andar muito com os cabelos daquele jeito.

E eis que nos informaram sobre o Blade Cabeleireiro, bem perto do nosso ap. Então fomos até lá para passar o zero e arrumar aquela desgraça. Dia triste... meu cabelo...

Antes de chegar fiquei imaginando um cara de capa preta, óculos escuros e um salão escuro... é que a gente acaba associando o nome do filme com o personagem... mas não sei porque a realidade tem que ser tão chata.

O cara era normal (ah, vá), gente boa, cortava o cabelo de muitos ali por perto. Passei a cortar com ele. Tudo correu relativamente bem...

Mas essa não é a história. A história é a seguinte:

Depois de três longos anos cortando o cabelo com ele, eis que acontece algo muito inusitado. Já era o último ano de faculdade e lá estava eu de novo, naquela que seria a última vez que colocaria os pés dentro daquele salão. Era sexta-feira, fim de tarde. Talvez fosse dia 13 e eu estava com azar...

Eu não gostava muito de conversar durante o corte, porque achava o cara muito distraído e temia que o corte ficasse ruim. Então não conversava muito. Mas aquele dia era diferente, havia algo estranho no ar. Cheguei, tirei meu óculos (sou míope), coloquei no balcão em frente ao espelho e sentei na cadeira. Ele começou a cortar e falar de seus problemas de saúde, que tava com Diabetes, tinha que se cuidar mais, estava muito relaxado, e tal. Fiquei com dó e resolvi dar corda pra conversa. Continuei os assuntos. Conversamos, e ele cortava meus cabelos normalmente. Devido a conversa o corte demorou mais do que de costume, mas não tinha problema, não tinha ninguem na fila, e já era perto das 6:00, o salão ja iria fechar.

Quando ele acabou peguei meu óculos e fui pra casa. Durante o caminho, arrumando o cabelo, percebi alguma coisa estranha: esperei para chegar até o apartamento e olhar no espelho. Cheguei... Olhei... O CARA TINHA CORTADO SÓ DE UM LADO!

A metade direita da minha cabeça estava com os cabelos curtos, arrumadinho, com o "pézinho" feito; e o lado esquerdo comprido, com os cabelos por cima da orelha! E como eu tirei o óculos, não consegui enchergar nada durante o corte; e estava tão acostumado a cortar com ele e com um pouco de pressa, que não conferi depois que acabou. E o pior: não deu tempo de voltar pra ele arrumar, já era depois das seis horas de Sexta-Feira!

Eu não acredito que possa acontecer isso com mais alguem! O que eu fiz? Não o que eu fiz pra merecer isso; mas o que eu fiz pra solucionar o problema? Tive que cortar a metade esquerda em casa. Eu não ia esperar até segunda, tinha um monte de compromissos sociais, como eu iria daquele jeito? Então peguei a tesoura e comecei a cortar e comparar com o lado direito.

Terminei. E até que tinha ficado bom. O problema é que alguns colegas percebiam. Um dia a Lari perguntou: "Oh Fer, seu cabelo ta estranho... O lado direito ta diferente do lado esquerdo!" E todo mundo: kkk

Putz, que vergonha, e queria ver ela acreditar na história...

Ps: Algum dia eu volto pra pegar metade do dinheiro...

28 fevereiro 2011

Banheiros públicos e a mentalidade ambiental

Todo mundo sabe como é a condição higiênica dos banheiros em praças, bares, restaurantes, baladas... enfim, todos os comunitários: são imundos!


O energúmeno urina no vaso e não puxa a descarga. Depois vem um ignóbil, urina e de novo não puxa a descarga. Depois vem um com problemas de mira e urina para fora do vaso. Então, quando o sanitário esta quase derretendo de tanta ureia, você que é mais educado, chega, não aguenta o cheiro e puxa a descarga (o mínimo que se tem que fazer). Alivio! Depois começa tudo de novo até alguém com um mínimo de senso cooperativista dar fim ao martírio do sanitário apocalíptico. Aí você se pergunta, "porque, mas porque não puxam a descarga, pelo menos?". Aí te ocorre a resposta. Fácil! O banheiro não é do meliante, ele não vai precisar lava-lo, não pretende ou acha que não vai usa-lo novamente; então usa, nem gasta energia puxando a cordinha da descarga e se manda; quem vier depois (desculpe o palavrão) que se foda!

Engraçado como isso se aplica em muitos segmentos sociais. Nem preciso falar da politica, mas estou pensando nos nossos recursos naturais.

Sabe como é né, o cara chega, mata, caça, desmata e se manda, quem vier depois dele que se foda! Ele tirando o dele ta bom. Quem precisar dos recursos naturais preservados para levar uma vida digna, "que se lasque!". Seus netos e bisnetos? Foda-se. Um exemplo que ilustra esse pensamento é a caça das baleias. Quem caça e promove a caça está pensando apenas em si, porque já é bem sabido que as baleias valem muito mais vivas do que mortas, alem de ser um direito de todos usufruirem do meio ambiente sadio e preservado (isso está na nossa Constituição Federal).





O problema do lixo provém do mesmo pensamento: descascou a balinha, ou chiclezinho, não gastou ATP usando o cérebro e jogou-o no chão; é mais rápido e fácil do que achar um lixeiro e ele some rapidinho, vai entupir algum bueiro e detonar com a biodiversidade. Depois é esse mesmo idiota que aparece na televisão pedindo à Deus e todo mundo para ajuda-lo porque perdeu tudo. E aí, quem se deu mau? O ruim é que além dele, toda a comunidade e indiretamente todo mundo... Essa é a cultura do espertalhão, do "o mundo é dos 'espertos'". Tá mais para o incrivel mundo dos ignorantes...


Essa cultura tem que mudar! Senão todos vamos acabar indo pelo ralo... de um sanitáro imundo...
Ps.: desculpas pelos palavrões, tinha usado, recentemente, um sanitário público; é compreensivo, vai!