02 dezembro 2010

Feliz Natal e Prospero Ano Novo!

Estamos em Dezembro e as cigarras já estão cantando. Desde criança eu aprendi a associar o aparecimento das cigarras com a chegada do clima de final de ano. Eu acho a melhor época do ano! Não só pelas festas, mas também pelo clima. Assim como minha amiga Larissa, meu humor é movido pelas intempéries climáticas. O meu máximo de felicidade é quando está calor, o céu azul, aquele ventinho morno... é quando entro em torpor. O inverso ocorre quando o dia está chuvoso, cinzento. Mas aí dá pra assistir um filme, ler um livro ou namorar para contornar o desânimo.

Mas voltando ás festas de final de ano: eu gosto muito do Natal. Até hoje guardo uma malinha cheio de cartões de Natal e Ano Novo que meu pai recebia de empresas, clientes, prefeituras, etc. Nessa época  ele possuía uma cerealista, tinha muitos contatos e recebia muitos cartões. Lembro que havia um monte deles que sequer haviam sido abertos, mesmo anos depois da falência das empresas. Era muito emocionante ser o primeiro a abri-los... Eu acho que hoje em dia não fabricam cartões tão bonitos quanto naquela época. Eu ficava lendo, relendo e olhando-os, pois eram bem bonitos e com mensagens contagiantes. Todo final de ano eu repetia aquele ritual, e ficava imaginando como aquele ano havia passado rápido e que eu lembraria mais tarde daqueles momentos.




Mas como gosto tanto do natal sem ser religioso? Há alguns dias descobri que não preciso mais responder essa pergunta, pois Tim Minchin respondeu; e de uma maneira muito mais inspirada, bela e brilhante; ele é um australiano super talentoso. Vejam o vídeo e a minha mais nova inspiração, agora audiovisual, do Natal.



Todo fim de ano é tempo de reencontrar conhecidos, amigos de infância, retornar para nossa cidade natal, aproveitar o verão, o vento quente, as noites estreladas, os passeios. Até começarmos um novo ano, um novo ciclo; para viver o que há para viver, no tempo que temos. 

C'est la vie.