02 março 2010

Idéia genial (ou idiota), três amigos + Coincidencia + azar + sorte = Uma grande história

Era uma noite tipica de verão, com muito calor, pessoas nas ruas até tarde, céu estrelado... 

Nesse clima, estávamos eu (Fernando), Rodrigo e o Elizandro (Pegador), caminhando pelas ruas de Capanema. Já era meio tarde quando resolvemos parar na frente da casa do Rodrigo. Ficamos lá conversando sobre as "travessuras" que fazíamos, lembrando de histórias engraçadas... até que tivemos uma ideia genial! Não lembro se foi de alguém especificamente, mas não importa, o que importa é o que aconteceu...

Tivemos a ideia de esperar quando um carro estivesse vindo para fingir que estávamos espancando o Elizandro. Então antes de o carro se aproximar demais, nós íamos carrega-lo pelos pés e mãos, joga-lo na beirada do asfalto e sair correndo. Queríamos ver a reação de quem passasse e dar muita risada! Seria uma travessura das boas!

Tudo foi muito rápido! Tivemos a ideia, combinamos e em instantes já apareceu as luzes de um carro vindo lá na subida. 

A avenida que passa na frente da casa do Rodrigo é de mão dupla com um gramado no meio com duas fileiras de arvores. Na hora falamos: "é agora, ta vindo um carro, deita ali Elizandro...".

Então eu e o Rodrigo começamos a fingir que estávamos batendo nele. Dávamos chutes e socos e o Elizandro pulava fingindo receber os golpes. Quando o carro se aproximou eu peguei nos braços, o Rodrigo pelas pernas, carregamos uns cinco metros e jogamos ele metade do corpo na grama e metade no asfalto, e saímos correndo. 

De repente aquele carro que estava vindo ligou a sirene, acelerou e entrou na contra mão para nos abordar! Era a policia!!!! Que azar!!!! Justo naquela hora fomos zoar com o carro da policia! Tanto carro pra vim! 

Corremos até uma loja do outro lado da avenida que vende máquinas agrícolas, e mesmo percebendo que era a policia (já estávamos no impulso), talvez por medo, continuamos correndo, e fomos nos esconder atrás de umas máquinas. Nesse instante o carro que havia entrado na contra-mão, subiu na calçada e parou na frente da loja. Saiu um policial e uma policial (mulher) apontando as armas para nós e gritando Hei! Hei! Hei! Parados aí!

Nossa, já me apontaram uma arma! Não é nada legal apesar de no geral ter sido muito engraçado!

Sorte que o Rodrigo estava mais à frente. Ele estava um pouco agachado e foi levantando com os braços para a frente com as palmas das mãos abertas e falando - calma!, calma! É uma brincadeira!

A policial gritou - Brincadeira? Olha o cara la deitado!! E o Elizandro pra sacanear mais com nós ficou la deitado ao invés de levantar para os policiais verem que era uma brincadeira. E nós passando um sufoco para explicar a situação! 

Perguntaram onde morávamos e quem eram nossos pais. Falamos, inclusive estávamos na frente da casa do Rodrigo. Os policiais com certeza nos conheciam de vista.

Depois de um tempo se explicando olhamos para o Elizandro e ele estava sentado no chão olhando pra nós, rachando de rir! 

Um mercado grande da cidade havia sido roubado naquele mesmo dia, ai eu aproveitei para puxar papo sobre o assunto, perguntando se tinham notícia dos assaltantes, tentando desviar a atenção. A policial, guardando a arma, falou para nós pararmos com essas brincadeiras antes que levássemos um tiro.

Zuar da polícia por engano, não levar um tiro e não ser preso = Não tem preço! Para todo o resto, arranje bons amigos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente o que achou da postagem ou conte-nos algo!