25 fevereiro 2010

O grande efeito "manada"

Segundo o dicionário, "manada" nos sentido figurado refere-se a um grupo numeroso de pessoas passivas, que se deixam conduzir sem questionamento. As frases que demonstram esse efeito é facilmente encontrado nas rodas de amigos, colegas, familiares, e é exemplificado através de jargões, que não fogem muito dos habituais: " pois é, mas todo mundo age assim"; " do que adianta pensar assim, você é só um, está achando que vai mudar o mundo?"; e uma das melhores: " se todo mundo faz, porque eu não posso". Na verdade, acredito que isso é apenas uma forma que encontramos para justificarmos as nossas ações, apartir dos erros cometidos pelos outros.

Sendo assim, a pergunta que não quer calar no momento é: Qual é o motivo de irmos contra o vigente fluxo das idéias humanas e termos atitudes diferentes das conhecidas e repetidas já existentes? ORA POIS, somos seres pensantes, e como tais, possuímos a capacidade de analisar cada uma das diversas situações as quais estamos expostos, e apartir daí, tomarmos nossas decisões; Com certeza, esse foi um importante fator evolutivo que possibilitou ao homem sobreviver nas diferentes épocas e atualmente ser uma espécie razoavelmente bem adaptada ao ambiente terrestre ( é claro, com ressalvas). Outro motivo, é que a falta de comodismo nos possibilitou vários exemplos positivos humanos. Imaginem vocês, se Albert Einstein, se conformasse em seguir a grande tendência da época na Europa de tornar-se um operário alemão, ou pior ainda, decidisse participar de uma das guerras que a Alemanha esteve, melhor nem pensar hem, hehe.

Provavelmente não sobraria tempo para as décadas de estudo que o possiblitaram desenvolver a teoria da relatividade. Ou ainda, se Nelson Mandela se conformasse com a segregação racial e social, aos quais os negros da África Do Sul foram expostos na época do Apartheid. Com certeza, essas pessoas não são adeptas do comodismo ou efeito manada, e por isso deixaram de ser pessoas comuns. Não estou afirmando que cada um de nós deve desenvolver uma teoria ou fazer parte de uma grande causa social para ser considerado um não-comodista; mas pelo menos, podemos desenvolver o hábito de pensarmos e analisarmos cada uma das situações, segundo nossas idéias e convicções.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente o que achou da postagem ou conte-nos algo!