02 dezembro 2010

Feliz Natal e Prospero Ano Novo!

Estamos em Dezembro e as cigarras já estão cantando. Desde criança eu aprendi a associar o aparecimento das cigarras com a chegada do clima de final de ano. Eu acho a melhor época do ano! Não só pelas festas, mas também pelo clima. Assim como minha amiga Larissa, meu humor é movido pelas intempéries climáticas. O meu máximo de felicidade é quando está calor, o céu azul, aquele ventinho morno... é quando entro em torpor. O inverso ocorre quando o dia está chuvoso, cinzento. Mas aí dá pra assistir um filme, ler um livro ou namorar para contornar o desânimo.

Mas voltando ás festas de final de ano: eu gosto muito do Natal. Até hoje guardo uma malinha cheio de cartões de Natal e Ano Novo que meu pai recebia de empresas, clientes, prefeituras, etc. Nessa época  ele possuía uma cerealista, tinha muitos contatos e recebia muitos cartões. Lembro que havia um monte deles que sequer haviam sido abertos, mesmo anos depois da falência das empresas. Era muito emocionante ser o primeiro a abri-los... Eu acho que hoje em dia não fabricam cartões tão bonitos quanto naquela época. Eu ficava lendo, relendo e olhando-os, pois eram bem bonitos e com mensagens contagiantes. Todo final de ano eu repetia aquele ritual, e ficava imaginando como aquele ano havia passado rápido e que eu lembraria mais tarde daqueles momentos.




Mas como gosto tanto do natal sem ser religioso? Há alguns dias descobri que não preciso mais responder essa pergunta, pois Tim Minchin respondeu; e de uma maneira muito mais inspirada, bela e brilhante; ele é um australiano super talentoso. Vejam o vídeo e a minha mais nova inspiração, agora audiovisual, do Natal.



Todo fim de ano é tempo de reencontrar conhecidos, amigos de infância, retornar para nossa cidade natal, aproveitar o verão, o vento quente, as noites estreladas, os passeios. Até começarmos um novo ano, um novo ciclo; para viver o que há para viver, no tempo que temos. 

C'est la vie.

21 novembro 2010

Diálogo moderno

Minha familia tem um restaurante. As vezes ajudo no caixa, atendendo o telefone e cobrando. Certa noite recebi uma ligação... Sabe como é essa geração Millenium! Afobada e ansiosa. Tambem não é para menos, com o advento da internet somos bombardeados com informação o tempo todo, acontece algo la na Conchinchina e instantaneamente todos ja estão comentando no Twitter, ja tem comunidade no Orkut, ja saiu no Uol...

Pois bem, certa noite atendi a ligação de um adolescente (percebi pela voz), provavelmente do tipo Millenium, ou geração Y (tanto faz); o diálogo foi o seguinte:

-Restaurante Wons, boa noite!
-Vocês fazem entrega?
-Sim, fazemos.
-Eu quero uma pizza e uma Coca dois litros.
-Qual sabor a pizza?
-Moda da casa. Você pode mandar aqui em casa?
-Qual o endereço da sua casa, por gentileza?
-Sou eu, você pode mandar aqui em casa?
-Eu quem?
-Seu pai sabe onde eu moro.
-Então você pode passar seu nome para eu pegar seu endereço com ele...
-Eu moro aqui na baixada.
-Que baixada? 
-Depois do quebra-mola!
-Tem vários quebra-molas...
-Aqui, uma quadra depois da oficina...
-Qual o nome da oficina?
-É uma oficina de caminhão, trator, essas coisas!
-Você tem o nome da rua e número da casa para me passar?
-É na mesma rua do Restaurante, você tem que vim até o quebra mola...
-Há! Você mora descendo a avenida?
-Sim! Aqui perto da oficina que fica em frente ao quebra mola...
-Ta bom, ja sei mais ou menos onde é; qual a cor da casa?
-Casa branca.
-Mas pode ter mais casas brancas por aí... Mas nós damos um jeito! Só isso?
-Só.
-Obrigado, tchau!

Vocês estão pensando: como seria facil se ele passasse a rua e o número da casa. Sim, seria muito mais facil. Mas o caso é que ele dialogava como se eu fosse o próprio Google Maps e tivesse á minha disposição um banco de vozes memorizadas integrado, onde eu poderia facilmente, e em segundos, identifica-lo e localiza-lo... Vai dizer que isso não parece próprio das novas gerações?  Tambem é coisa de gente de cidade pequena. Como tudo é multifatorial o diálogo é explicado juntando um adolescente da geração information e de cidade pequena.

Sou otimista e entusiasta em relação á tecnologias que facilitem nosso dia-a-dia, mas tem gente que parece viver em um Second Life Hi-Tech. Por outro lado é bom ver que as novas gerações estão se adiantando (as vezes bastante) ás novas tecnologias...

De qualquer maneira o diálogo foi engraçado!

09 outubro 2010

Aborto, dogmatismo, alienação, desinformação e hipocrisia.

De acordo com um levantamento da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), mais de 70% dos brasileiros são contra a legalização do aborto. No entanto a maioria tambem acha que as leis devem ser revistas. Tambem não é para menos, a lei discriminatória do aborto no Brasil é de 1940, e uma das mais restritivas do mundo, assemelhando-se ás do Haiti e Sudão. Mesmo assim, estimativas do Ministério da Saúde indicam que entre 729 mil e 1,25 milhão de mulheres se submetem ao procedimento anualmente no Brasil. Destas, de acordo com organizações não governamentais, pelo menos 250 morrem .  Geralmente quem morre são mulheres de classe baixa, que não possuem dinheiro suficiente para fazer o aborto em clinicas, como ocorre com mulheres de classe média/alta.

Acho que antes de prosseguir é bom deixar bem claro a diferença, que muitas pessoas confundem, de legalização com liberação! É bom ter bem claro em mente, que legalizar é ditar normas, restrições e punições para a prática do aborto; o que facilitaria a fiscalização e punição. Legalizar não é liberar qualquer pessoa para praticar o aborto em qualquer situação em qualquer lugar... Isso é um absurdo! Mas é assim que muita gente, desinformada e desinteressada por um pouco de reflexão sobre o assunto, pensam.

Se o aborto fosse legalizado no Brasil, iria ocorrer muito provavelmente, como ja ocorreu em outros países: diminuição do número de mortes de mulheres (pobres) que procuram clinicas de aborto clandestinas, diminuição á longo prazo da criminalidade, que se desenvolve muitas vezes, de gravidezes indesejadas e familias desestruturadas. E até o número de abortos que hoje chega em 1,25 milhão pode cair. Isso ja foi provado em sociedades que legalizaram o aborto. Isso decorre do acompanhamento do estado durante o processo de tomada de decisão por parte da mulher, que por sua vez tem maior sentimento de apoio e segurança. Um exemplo vem de Portugal. Lá o aborto é permitido até às 16 semanas em caso de estupros e até às 24 semanas em caso de malformação do feto. O governo supervisiona todo o processo, inclusive com um período onde a grávida é obrigada a refletir por alguns dias antes de confirmar que deseja abortar. No caso de má-formação do feto e estupro é mais dificil a mulher mudar de idéia a respeito da decisão de abortar, mas em se tratando de poucas condições economicas ou outros motivos é mais provavel. O que ja está ocorrendo é uma redução do número de abortos legais no mundo (inclusive no Brasil), resultado de maior informação e distribuição de anticoncepcionais. Como sempre a Igreja contesta e desaprova o uso de anticoncepcionais dizendo que eles são tão abortivos quanto o Citotec. Leia a noticia aqui.

Se tomando o exemplo de muitas sociedades que descriminalizaram o aborto e obtiveram mais beneficios do que maleficios, porque a sociedade insiste em dar as costas para esse problema de saúde pública? 

Durante essas eleições presidenciais a candidata do PT Dilma Roussef, em entrevistas, insinuou ser a favor da legalização do aborto porque a vê como um problema de saúde publica. Acertou em cheio, já era hora de algum politico enfrentar o problema. Mas errou com o eleitorado, maior parte religiosa; e com toda a pressão social e dos adversários voltou atráz, evitando perder mais votos. Agora em toda propaganda eleitoral na TV aberta o que mais se ouve, de minuto em minuto é a frase "a favor da vida". Todo mundo é "a favor da vida" para conseguir o voto dos religiosos, que agora tem mais poder do que nunca, em cima dessa polêmica. Dia 06 passado a TV religiosa Canção Nova exibiu um sermão do padre José Augusto pedindo aos fiéis que não votassem na Dilma porque ela é a favor do aborto e quer implantar uma Ditadura terrorrista. Veja a noticia no Estadão. Vale lembrar que o Estado Brasileiro é laico. Sendo assim, não deve professar nenhuma fé, isso para não favorecer a maioria e desfavorecer as minorias. O Estado governa para todos. Desta forma, de acordo com a constituição e pela lógica, toda essa discussão eleitoral é anticonsticionalista e infrutifera. O Estado tem que resolver problemas sociais e não ditar politicas de acordo com crenças de uma ou de outra religião.

Mas por tráz desse "a favor da vida" (que por si só ja convence muita gente, como se fosse um argumento válido) existe um dogmatismo e fanatismo que não condiz com a frase. Sendo o aborto legalizado ou não mais de um milhão de mulheres o praticam anualmente e muitas morrem (uma a cada dois dias).  Assim, soma-se as "mortes" de embriões e das mulheres. Se a legalização fosse feita iria diminuir a soma das mortes totais, diminuindo o das mulheres e dos embriões. Isso é lógica fácil. Mas todo mundo sabe que a diminuição das mortes no geral, não convence quem é "a favor da vida". Pois para os religiosos a única vida que tem valor é a do embrião e não das pessoas...  Isso está bem claro quando Paul Hill matou o médico Jhon Britton e seu guarda-costas James Barrett, que saíam de uma clinica de aborto, e feriu gravemente a esposa de Barrett. Antes de ganhar a sentença de morte ele convocou outros ativistas a continuarem seu "trabalho".O motivo é que essas pessoas estão entorpecidas pelo discurso religioso e lhe faltam informação, bon senso e senso crítico. Essa declaração a seguir é a mais perturbadora. Randall Terry, fundador da Operação Resgate, uma organização para intimidar quem oferece abortos declarou: "Quando eu, ou pessoas como eu, estiver governando o país, é bom você fugir, porque vamos encontrá-lo, vamos julgá-lo e vamos executá-lo. Estou falando sério. E farei com que seja parte da minha missão assegurar que vocês sejam julgados e executados." Terry estava se referindo a médicos que realizam abortos. Existe muitas outras declarações parecidas, a maioria de fanáticos Norte Americanos. Esses exemplos, para nossa sorte isolados, demonstram duas coisas: Os "a favor da vida" não são tão a favor assim, pelo menos em se tratando de pessoas ja formadas; e outra é o cuidado que devemos ter com o crescimento cada vez maior do poderio religioso no Brasil. Como exemplo temos o Imperio de Edir Macedo, que  em 2007 controlava 2 jornais de circulação nacional, 23 canais de televisão, 40 rádios e muitos outros veículos em nome de terceiros. Blogs fundamentalistas ja estão se espalhando pela internet. Olhe este: Cristianismo Radical.

É incrível como as pessoas, automaticamente, são contra o aborto. Repetem a mesma ladainha, os mesmos argumentos dogmaticos da Idade do Bronze como Paula Viana, coordenadora do grupo feminista pernambucano Curumim, destacou: “Não somos a favor do aborto, gostaríamos que diminuíssem, mas queremos que o Brasil se iguale a outros países desenvolvidos. Quem critica o aborto são os grupos religiosos fundamentalistas”. Particularmente sou a favor da legalização do aborto porque vejo muito mais beneficios sociais do que maleficios. Países que ja legalizaram são exemplos.

Porque não ter preconceitos a favor da legalização do aborto e admitir que é um direito de escolha da mulher?
Um embrião com até 1 mês, possui menos células do que o cérebro de uma mosca. Se é considerado morte quando o sistema nervoso morre (mesmo todos os outros orgão funcionando, o que possibilita a doação de orgãos), então porque não é considerado vida quando ocorre o desenvolvimento do sistema nervoso? E isso começa a ocorrer na 5ª semana de gestação e só torna-se funcional  bem mais tarde. As pessoas preferem que uma mulher com trilhões de células, milhares de lembranças de pensamentos e sentimentos, rodeada por pessoas que ama etc., sofra só porque a igreja ainda fala que a alma entra no embrião no momento da concepção (o que ja foi refutado a centenas de anos). Primeiro tudo tinha alma, florestas, montanhas, rios, lagos, etc. (Isso é popularmente conhecido sobre os indios norte-americanos). Depois começou-se com o dogma de que apenas os seres vivos possuiam alma (todos os animais e plantas) E por fim, Tomás de Aquino em 1268 retirou a alma "racional" dos outros animais, deixando apenas para o ser humano.

Mas todo embrião é alguem que deixa de existir, uma vida em potencial! Esse é o argumento mais usado. Sim, se olharmos retrospectivamente ficamos tomados por um sentimento de assassinato contra aquele embrião; mas isso ocorre porque partimos da noção de uma pessoa totalmente desenvolvida e aplicamos a analogia á algo que ainda não existe. Se todas as pessoas em potenciais nascessem, nosso planeta teria trilhões de pessoas. Isso porque todo óvulo e todo espermatozoide são pessoas em potencial. Todo mês  as mulheres descartam um óvulo (as vezes mais) na menstruação. Se esse óvulo fosse fecundado daria origem a uma pessoa. É uma forma de aborto. E o que dizer dos milhões de espermatozoides, que formariam pessoas, que são jogados fora quando um homem se masturba, ou transa com camisinha ou interrompe o coito? São milhares de óvulos e espermatozóides que estão deixando de se encontrar e desenvolver uma pessoas. Imagine quantas pessoas deixaram de existir por isso! Sem contar ainda que  de 40 a 60 por cento dos óvulos fecundados são abortados naturalmente sem a mulher perceber. São milhares de pessoas que nasceriam se não fosse ocorrer esse aborto natural. Toda vez que alguem negar em fazer sexo está sabotando o nascimento de alguma pessoa. Os cientistas ja conseguiram transformar células da epiderme do braço em espermatozoides e óvulos. Daqui muitos anos poderemos fecundar um óvulo "epidermático" com um espermatozóide transformado de uma célula da sua pele; é só questão de tempo. Isso significa que toda vez que você toma banho e se esfrega, mata milhares de pessoas em potencial? Ácaros, fungos e outros parasitas estão matando células que possuem material genético (as instruções de como fazer uma pessoa) o tempo todo...


Porque todo mundo fala do aborto mas ninguem dá atenção para a fertilização in vitro? Ocorre mortes de embriões em dois processos da técnica. Quando é feita a introdução artificial do espermatozoide no óvulo e depois quando eles são implantados no útero, só sobrevivendo alguns de muitos implantados. E porque a polêmica sobre células-tronco embrionárias não convence os fiéis, tanto quanto o aborto, em não votar em quem é a favor dessa técnica? Nesse ponto começa a maior hipocrisia de todas. As técnicas de celulas tronco embrionárias (que ja foram fecundadas e são pessoas em potencial) podem ajudar milhares de pessoas. São fundamentais para o avanço e desenvolvimento de novas técnicas de tratamento e cura (no futuro) de milhares de doenças, síndromes e traumas (incluindo pessoas paraplégicas). Isso acontece porque a palavra fertilização e células-tronco não estão tão rodeadas por mitos, tabus, dogmatismo e fanatismo religioso. E tambem, porque quando algo vai beneficiar tanto uma pessoa que precisa, ela tende a não possuír tantos preconceitos nem dogmatismo religioso. 

Parece que a hipocrisia ao redor do aborto combina bem com a politica...


Bibliografia

Um Debate Equivocado - O Globo
Cai número de abortos legais
Aborto no Brasil: Mortes em silêncio.
Aborto no Brasil é tratado igual no Sudão
Aborto mata 250 mulheres por ano no Brasil
Mais de 70% dos brasileiros são contra legalização do aborto
Entidades lançam plataforma para a legalização do aborto no Brasil
Dilma pede direito de resposta a TV Catolica
Blog Cristianismo Radical
Imperio de Edir Macedo
Talibã Americano

18 setembro 2010

A Escola Mata A Criatividade!

Todas as crianças são criativas, o problema é conseguir continuar criativas enquanto crescem...

Todos ja ouvimos falar de histórias engraçadas e extremamente criativas que os pais, avós, professores ou outras pessoas que convivem com crianças pequenas, nos contam, perplexas. Essas histórias cotidianas de convivencia e aprendizado infantis são tão criativas que muitas vezes são contadas pelo fato de não acreditarmos que veio de crianças tão novas. Mas porque a criatividade parece diminuir enquanto envelhecemos? Isso é biológico? Ou social, uma causa do sistema de educação vigente? 

O mais provável é que seja, pelo menos na maior parte, social. Nosso sistema de ensino é uma herança da Revolução Industrial, baseada totalmente na técnica, necessária para a produção. Criatividade foi trocada por produtividade. Como Ken Robinson enfatiza (ver videos abaixo), todos os sistemas educacionais modernos baseiam-se na mesma hierarquia de importância: Matematica e Linguas, Ciencias Humanas e por último Artes (dança, música, etc.). Nossas habilidades e facilidades inatas não são respeitadas. Uma criança que possui uma habilidade (ou gosto) imensa por música, dança ou artes plásticas, verá essa habilidade negligenciada pelo ensino público, e será prontamente desestimulada pela sociedade a desenvolver ou se dedicar á sua habilidade. Do mesmo modo, esse sistema de ensino desestimula o pensamento crítico, o conhecimento é passado como uma fórmula de bolo ou uma tábua sagrada entregue outrora no monte Sinai, e que não pode ser refletido e analisado criticamente, apenas aprendido de forma mecânica (para ser usado, na prática, para a produção); os métodos de ensino usados são nada mais do que de adestramento. Não estou querendo dizer que as ciencias exatas não são importantes. Muito pelo contrário, elas são a chave para a compreensão do universo, e muitas pessoas possuem habilidades extraordinarias nestes campos; o que quero dizer é que não é justo infligir á todas as pessoas a mesma hierarquia de importância no seu aprendizado. Pois do outro lado acontece a mesma coisa. Muitas pessoas que seriam melhor sucedidas em humanas ou artes são forçadas á seguirem carreiras cientificas. Isso é totalmente desastroso, principalmente quando essas pessoas tornam-se professores de ciencias; muitas crianças (ou jovens) serão, provavelmente, desestimulados. Isso cria um circulo vicioso e culmina no preconceito que muitas pessoas tem com a ciência, achando-a enfadonha e, do outro lado, ás Artes, achando-as desnecessárias.

Assim como nas artes, a criatividade nas ciências exatas e biológicas é essencial. A criatividade e inteligencia andam juntas, pessoas muito inteligentes são muito criativas e vice-versa. Não só a escola, com seus professores mal preparados, rabugentos, sem didatica e sem conhecimentos complementares, mas tambem o estado e toda a sociedade são responsáveis pela educação saudável e assim, pelo crescimento intelectual da nação. Acho que está na hora de repensarmos a educação!






29 julho 2010

Naston

A cidade não era muito famosa, a maior parte das pessoas daquele pequeno país à desconhecia. Apesar disso, via-se nas redondezas repórteres de emissoras importantes fazendo o seu trabalho. Talvez estivessem ali para mostrar suas belas alamedas, as mais bonitas entre todas as cidades do lado oeste, e noticiar como o lugar era pacato. Chamada Naston, surgiu em uma planície ao pé de uma pequena colina que, proporcionalmente com a altitude do terreno ao seu redor, parecia bem alta. As pessoas daquele lugar não importavam-se muito com os acidentes geológicos do terreno, incluindo a planície onde estavam inseridas. Às vezes quando o pequeno rio subia e alagava algumas ruas, atribuía-se fatores divinos para o ocorrido ou outra coisa do tipo. Fazia-se o mesmo com alguns temporais, mas só com os mais desastrosos. Apesar desses fenômenos naturais, geralmente o clima em Naston era muito agradável, a temperatura no verão se mantinha quente mesmo durante as noites, isso ajudava a tornar as noites de verão as mais lindas que alguém pudesse imaginar. O clima era agradável ao ar livre, porém em lugares fechados tornava-se um tanto desconfortável. Este fato talvez explique os baixos índices de criminalidade em que a cidade se mantinha, afinal todos conversavam em frente a suas casas, ao relento, até de madrugada.

Sofia estava em seu quarto, um lugar muito agradável, com vários pôsteres colado nas paredes; alguns evidenciando problemas ambientais, outro mostrando as estradas e países vizinhos; e havia o que Sofia elegeu como o mais belo de todos, por isso colou-o na parede ao lado da janela, longe de cada raio de sol que poderia danifica-lo. Era um mapa de astronomia. Mostrava as constelações e tinha infográficos explicando e mostrando os planetas, estrelas, quasares, buracos negros e a Via Láctea. Perto da porta de seu quarto, que ficava no lado oposto da janela, estava uma estante de livros; em frente dela a cama; ao lado a escrivaninha onde estudava e na frente dela um sofá de dois lugares que colocara ali para ocupar o espaço vazio e proporcionar conforto em suas leituras. Sofia gostava de ficar deitada em seu sofá ouvindo musica ou lendo, e de vez em vez refletia olhando para fora da janela, onde dava para ver as estrelas formando uma áurea ao redor do contorno da velha mangueira, plantada por alguém da família. As folhas da antiga árvore balançavam com o vento, tocando umas às outras levemente, produzindo uma música que enchia Sofia de um sentimento inexplicável. Era um sentimento de reverencia à natureza, algo que a fazia contemplar todo o mistério e a beleza das coisas naturais. Nesse momento o sofá tornava-se obsoleto, desnecessário em preencher qualquer vazio, e se transformava em algo que roubava sua liberdade. 

Nesse instante Sofia saiu de seu quarto pulando a janela, era a forma mais rápida para escapar daquele lugar, que agora se tornava sufocante. Logo abaixo de sua janela havia um piso, onde Sofia pisou descalço e sentiu um calor reconfortante: era a energia térmica que não dissipara completamente, uma lembrança do dia ensolarado recém passado. Sentiu no rosto o vento que empurrava as folhas da Mangueira, descobrindo que o que via do sofá era real e mais emocionante do que qualquer coisa que havia lido antes. O vento parecia que acariciava-lhe o rosto, passava pelos seus cabelos e zunia bem baixinho em seu ouvido. O som da liberdade! Olhou para o céu, estava tão estrelado que teve a sensação de estar imaginando seu pôster. Seus primeiros passos em direção á rua foram feitos quase que automaticamente, sem perceber o espaço-tempo. 

Quando se deu conta estava na alameda que passava em frente á sua casa. Olhou para frente. Não conseguiu ver o final da rua, ela era formada por centenas de árvores que se fundiam em sua parte superior formando arcos por toda sua extensão. Quando o vento aumentava um pouco Sofia conseguia ver uma luz no final daquele túnel vivo. Era o céu distante dali. Nunca havia ido até o final daquela rua, sempre estivera em seu sofá. Ficou imaginando se lá era tão bonito quanto parecia de longe. Por impulso começou a caminhar naquela direção. Enquanto caminhava, algumas folhas caiam das árvores e o vento as rodopiavam em seus pés. Sua roupa estava balançando com o vento, sentia pequenos ciscos batendo em seu corpo. Sentia uma espécie de coragem misturada com alegria e um tanto de admiração por todo o universo ao seu redor. Desejava caminhar por toda a eternidade naquela espécie de epopéia. Passo após passo foi se aproximando do final da rua. O local que Sofia estava neste momento era iluminado por luzes de alguns postes e casas localizados nas bordas da alameda. Mas o que estava iluminando aquele céu no final do túnel? Sofia se perguntava, curiosa. Olhou para o céu à cima de sua cabeça, havia menos estrelas desde quando estava em seu quarto. 

Quanto mais Sofia caminhava mais aquele céu ficava maior e mais claro, e sua admiração aumentava na mesma proporção. Já estava quase chegando quando ouviu alguns passos vindo do seu lado direito. Com um sobressalto sentiu algo encostar em suas pernas. Virou o corpo bruscamente. Por conta do movimento apenas viu vultos. Seu coração disparou. Sentiu uma leve vertigem. Então ouviu um ronronar! Sorriu de alivio. Era um gato negro como a noite, um dos animais mais adorados por Sofia. Ela realmente gostava dos bichanos. Talvez por ouvir as histórias de que eles eram venerados como Deuses no Egito Antigo, mas também por seus olhos refletirem a luz, coisa que a deixava admirada. Os olhos do felino pareciam estrelas seguindo Sofia, que já estava no final da alameda. 

A rua que caminhava acabava ali. Assim como a cidade, que ficava para atrás. A partir dali o terreno era um pouco mais baixo, dando para contemplar á leste, no horizonte, uma espécie de clarão. Sofia pensava que eram as luzes de uma grande cidade das redondezas. Na direção norte havia a colina, vista por toda a cidade mas ignorada por todos. Esse morro era coberto por gramíneas, arvores esparsas e alguns rochedos. A partir dali a alameda continuava por duas estradas de terra que iam em direções opostas. Um dos caminhos levava até aquele pico, algo grandioso que se erguia em meio àquela planície. 

Sofia olhou para atrás, tentava ouvir as pessoas conversando em frente às suas casas. A noite estava encantadora. O vento morno a empurrava á diante. Porque aquela colina é a única nessa planície? Como ela se formou? O que posso ver lá de cima? O que há depois dela? Sofia realmente queria respostas. Continuou caminhando... 

Sentia o calor vindo da terra, a Via Láctea desaparecendo sobre sua cabeça. Deixava para atrás as luzes da cidade com todas aquelas pessoas desprovidas da sensibilidade da vida, apenas sobrevivendo sem liberdades, desinteressadas pelo universo e seus segredos, pessoas sem perguntas nem respostas. No meio da reflexão Sofia percebeu que estava no pé da pequena elevação. Começou a escalá-la. Na verdade tudo que tinha que fazer era subir andando pela grama, passo por passo até chegar ao topo. Sofia fez isso sempre olhando para á frente, com a certeza de que seria recompensada com uma grande visão. 

Alguns instantes e já encontrava-se no topo. Um pouco cansada da subida, virou-se para o sul. Por alguns instantes não acreditou em seus olhos. Realmente era uma grande surpresa! Sofia admirou-se com todo o mar de luzes de Naston. Simplesmente a coisa mais bela que tinha visto. Sentou em uma rocha, o vento ali em cima era mais forte e incrivelmente mais quente, assim como a grande rocha que estava lhe dando apoio. Respirou fundo, sentiu o odor que vinha de lugares longínquos. Ficou admirando toda a cidade lá em baixo e pensando na sua sorte em estar ali em cima. Sofia se inclinou na rocha para olhar o céu noturno. Percebeu um pequeno satélite artificial passando; acompanhou-o com os olhos. Estava indo na direção leste. Mais um pouco e foi necessário virar a cabeça. Percebeu, então, que o clarão que havia visto anteriormente, naquela direção, estava maior. Olhando para ele e tentando deduzir o que significava, algo grandioso aconteceu. A lua começou a nascer no horizonte! A maior e mais linda lua cinza-alaranjada que alguém tinha visto. Tudo aquilo que vivera foi apenas uma preparação para o mais lindo dos acontecimentos, algo sublime que Sofia nunca havia presenciado. Sofia então percebeu todas as coisas que estava alheia presa em seu mundo, apenas olhando da janela. A Lua estava nascendo em seu perigeu, ponto mais próximo da terra. O grande astro iluminou toda a terra visível, Sofia então viu sua sombra, encostou em uma grande arvore e passou a contemplar todos aqueles eventos em absoluto silêncio, quebrado apenas pelo vento soprando nos galhos... 

Ei Sofia, sai desse quarto e vem ajudar a fazer o serviço! Já vou mãe...

15 julho 2010

O Argumento Da Definição Do Termo.

O que é uma Teoria?

Muitas pessoas ao discutir sobre teorias científicas ou falar sobre ciência em geral, tem o costume de menosprezar alguma "teoria" pelo motivo de ser "apenas uma teoria"! Isso indica um desconhecimento da definição do termo teoria usada no meio acadêmico, que é diferente da usada no cotidiano.

Diariamente quando falamos que temos uma teoria para explicar alguma coisa, geralmente ela não é suportada por evidências e experimentos, simplesmente é uma hipótese, um "achismo". Cientificamente, "teoria", engloba um arcabouço de idéias lógicas de acordo com as já estabelecidas leis da natureza, evidências e experimentos ciêntificos.

A teoria é construída através da observação de fatos. Sendo assim, teoria é um modelo lógico e consistente que descreve o comportamento de um dado fenômeno natural ou social. Nesse sentido, uma teoria é uma expressão sistemática e formalizada de todas as observações prévias, que são previsíveis, lógicas e testáveis. Em princípio, teorias científicas são sempre tentativas, e sujeitas a correções ou inclusão numa teoria mais abrangente.

Quando a "teoria" passa a ser fato?

Toda teoria cientifica válida tem sua existência confirmada e reforçada por milhares de observações e experimentações. Mas essas observações e experimentações não tem fim, sempre é possível avançar mais no entendimento de algum fenômeno. Sendo assim, ela é considerada a mais provável. O método científico foi concebido para evitar ser dogmático e minimizar os erros humanos por preconceitos, orgulho, vaidade, etc.. Então, desta forma, é anti-científico falar que essa teoria está 100% correta, mesmo não existindo nenhuma evidência contrariando-a; se realmente existir a teoria será revista e modificada.

Apesar disso, existe muitas verdades absolutas na ciência. Por exemplo: quando começou-se com a hipótese de que a terra é "redonda", essa idéia não passava de uma hipótese. Mas depois de muitas evidências, experimentos e comprovações passou-se a ser uma teoria. Como nunca surgiu uma evidencia contra esta teoria e até o homem já foi ao espaço conferir com os próprios olhos, ela já é considerada um fato. Na verdade, extritamente falando, a Terra possui um formato chamado geóide. E como os números são infinitos não existe um número exato do coeficiente de circunferencia da Terra; sempre é possível usar mais casas decímais para a medição, isso só depende da evolução dos equipamentos de medida. Desta forma nunca saberemos o formato exato da Terra. Mas isso não muda nada na nossa forma de compreender o universo. Ninguem deve perder o sono com isso, nem viver pensando que existe a chance de a Terra ser chata ou quadrada, por exemplo.

Outro exemplo é a Teoria da Evolução. Se alguém pensa e fala que a teoria da evolução é só uma teoria, que o próprio nome já diz que não foi comprovada ainda, essa pessoa não possui compreensão suficiente do assunto nem sobre ciência. Usei o exemplo da evolução, porque é a "teoria" mais atacada com o Argumento Da Definição Do Termo.

Podemos falar em Teoria da Gravidade do mesmo modo que em Teoria da Evolução, e mesmo assim ninguém vai duvidar da existência da gravidade. A gravidade existe do mesmo modo que a evolução, a única diferença é que a evolução possui mais resistência por conta de idéias dogmáticas e ocorre de forma gradual em espaços de tempo muito longos, além de não ser sentida de modo direto. Hoje em dia, não há qualquer discussão no meio cientifico sério, sobre a validade ou não da Teoria da Evolução (ou Fato da Evolução, se preferir). Isso se dá pelo motivo de haver 150 anos de acúmulo de evidencias e provas, confirmando todas as observações da Teoria. Apesar do que se fala por aí, não existe nenhuma evidencia indicando que as idéias centrais da Teoria de Darwin, a seleção natural e a evolução, podem estar erradas. No mínimo essas idéias centrais já podem ser consideradas como fatos!

Do mesmo modo como ocorre com a precisão da medição da circunferencia da Terra, o entendimento cientifico sobre os detalhes da evolução estão sempre avançando, mas a idéia central não vai mudar: por mais incrivel que pareça todos os animais e plantas são parentes em algum grau, a vida surgiu de elementos inanimados e modificou-se durante 4 bilhoes de anos...

Querendo ou não, no geral, é assim que a vida surgiu; no mínimo sejamos sinceros com nós mesmos.

05 julho 2010

Sonhador?

A metáfora "um grão de areia" sempre foi uma maneira eficaz de demostrar a nossa insignificância perante a grandeza do Universo. Em Pais e Filhos, Renato Russo fez isso com perfeição:

                      Link YouTube "Sou uma gota d'água..."

Você já parou para pensar nessa metáfora? Quantos grãos de areia deve existir em um punhado? Com certeza deve ser muitos milhões. E quantos existem em uma duna? Em uma praia inteira? Num deserto ou em todo nosso Planeta?


                                          "Sou um grão de areia..."

É um número inimaginável... Mas mensurável. E sabe-se hoje que existe dez vezes mais estrelas no universo do que grãos de areia na Terra¹! Da para imaginar quão grande é o universo? Acho difícil... Imagine cada grão de areia que existe no planeta como uma estrela, sendo que cada estrela é, geralmente, muitas vezes maior do que qualquer planeta. O sol, por exemplo, que é uma estrela relativamente "pequena',é 1 milhão e 300 mil  vezes maior do que a Terra. Caberia mais de 1 milhão de planetas Terra dentro do sol! E o Sol é apenas um grão de areia em um punhado. Não há como não se encantar com esses fatos.


Mas tudo isso torna-se "realidade", quando observamos o céu á noite; especialmente em noites sem lua e longe da poluição luminosa. Nessas ocasiões é possivel observar a Via Láctea. Nesse momento nos sentimos grãos de areia em uma praia do "oceano cósmico", como Carl Sagan gostava de falar. Esse sentimento de reverencia ao virtualmente infinito, misterioso e incrível é o que move cientistas, filósofos, artistas... E pessoas como eu.

Encantamento esse que não faz parte da vida de bilhões de pessoas, as quais vivem alheias a estes fatos. Pois um número cada vez maior vivem em grandes centros urbanos, que possuem alta poluição luminosa, tornando praticamente impossível a visualização de quantidades razoáveis de estrelas. Em grandes cidades, muitas vezes, não é possível ver uma estrela sequer. Mesmo dentro de cidades pequenas é difícil visualizar muita coisa no céu á noite, sendo necessário deslocar-se para lugares remotos.

                                Como você vê o céu á noite?

Dessa forma, muitas pessoas simplesmente vivem com a idéia de que aquele céu noturno cortado pela Via Láctea são meras construções cinematográficas para filmes de romance. Filmes dos quais, inclusive, usam do nosso encanto natural pelo cosmos para causar impacto nos telespectadores.


Tenho a impressão que hoje em dia a maior parte da população possui uma postura de que a realidade é  os afazeres, compromissos e objetivos ligados apenas á nossa vida nas grandes metrópoles. E que o resto, como uma bela noite estrelada ou um pôr-do-sol magnífico, por exemplo, são apenas coisas que pessoas desocupadas e sonhadoras gostam de fazer...

Na verdade os papéis estão invertidos. A espécie humana existe á aproximadamente 200.000 anos e durante 99,9% desse tempo o homem viveu em contato direto com o meio ambiente, observando florestas, animais, pores-do-sol e um céu noturno com ausência total de poluição luminosa. Mas porque nossa espécie gosta tanto de apreciar estrelas, a lua, a natureza?

Durante milhões de anos, os indivíduos da linhagem que deu origem á nossa espécie, foram sendo selecionados. Quem nascia ocasionalmente com uma leve tendencia comportamental para observar as estrelas, talvez com maior curiosidade, levava vantagem reprodutiva sobre os outros. Esses indivíduos puderam  desenvolver métodos de localização pelas estrelas, conseguindo locomover-se mesmo durante a noite e chegar primeiro aos locais seguros e/ou com abundancia de alimentos, agua, etc.. Algo parecido pode ter ocorrido em relação ao sol; gostar do sol tem muitas vantagens: síntese de vitamina D, diretamente responsável pela fertilidade, localização diurna, etc.. Essas hipóteses evolutivas explicam porque gostamos de admirar uma noite estrelada ou um belo pôr-do-sol...

Como nossa vida é única, acho um desperdício alguém viver totalmente alheio à experiencias que muitas vezes estão ao alcance de todos, mas que já não despertam interesse, muito devido a frenética corrida da vida moderna.

Neste contexto pessoas extremamente realistas, no sentido de saber do que e como o universo funciona, podem ser confundidas como sonhadoras. Essas pessoas sabem que a realidade é mais incrível do que qualquer sonho ou ficção. É fácil entender esse ponto de vista quando pensamos em alguns fatos científicos, como, por exemplo, o tempo.

Ja foi muito bem provado que quanto maior a velocidade (de qualquer coisa), menor é a passagem do tempo (para essa coisa). Na velocidade da luz o tempo simplesmente não passa, ou passa infinitamente devagar, para ser mais preciso. Outra coisa incrível é que quando estamos olhando para o céu á noite, estamos olhando para o passado; estamos olhando para a luz de uma estrela que saiu de lá há bilhões de anos e está chegando até nós apenas "agora". Dessa forma quanto mais longe os telescópios observam no universo mais fundo no passado eles adentram. Quando olhamos para o Sol, estamos vendo como ele era há oito minutos, que é o tempo que a luz emitida por ele leva para chegar até a Terra... Em síntese, tudo na realidade é surpreendente e inacreditável: a evolução, a deformação espaço-temporal, os buracos negros, a tectônica de placas... Nesse ponto, sonhar e ser realista é quase a mesma coisa!

Por isso eu sou um sonhador. 

Referencias

Gif animado, criado pelo projeto Maratona da Via Láctea
[1] Universo tem mais estrelas no céu que grãos de areia na terra

03 julho 2010

Homeopatia e Piada

Sinceridade é coisa séria. Eu levo esse "slogan" como princípio de vida, na medida que não prejudique ninguem. Mas tem um pessoal que realmente não é sincero com as pessoas e ganham dinheiro com charlatanisses...

Quem já se informou á respeito de homeopatia (e outras pseudociencias) sabe do que estou falando. A homeopatia consiste na crença de que quanto mais diluído um medicamento, maior é a sua eficácia. Os homeopatas acreditam que a "essencia" do medicamento original, fica, de alguma forma, presa nas moléculas de água; e quanto maior a diluíção maior é a força dessa "essencia", mesmo que já não exista nenhuma molecula da substancia original... Uma diluição de 1/1000000, muito usada em homeopatia, é a mesma coisa que imaginar o Sistema Solar como um tonel de agua e existir nele uma única molécula de medicamento.

Vejam o vídeo; ele retrata o assunto de maneira precisa e mostra o que a homeopatia realmente é: uma piada!





Agora vejam uma épica explicação da homeopatia por James Randi.





Referências

Estudo indicando que homeopatia não tem maior efeito do que placebo.

01 julho 2010

O Grito - Poema de um Biólogo


Na cidade todos a dormir
No horizonte a lua a surgir
Sei que algo me espera
Por isso grito da janela

Oportunidades já passaram
Agora o que resta há de vir
Sou mais um entre bilhões
Quem irá me ouvir?

São todos surdos, já gritaram um dia
Muita coisa mudou, mas os gritos continuam
Quantos novos gritos vão surgir?
Não ouço nada, de tanto gritar ensurdeci!

A voz ressoa
Em um ouvido sai
Pelo outro acabou de entrar

Tem alguém aí?
Grite então
Para que eu possa te ouvir!

Tem alguém aí?
Suba mais alto
Mas não caia daí!

Tem alguém aí?

A fumaça subiu
A floresta sumiu
E a voz se calou...

26 junho 2010

Guia Politicamente Incorreto Para Se Usar Na Universidade

De acordo com o ensinamento zen-budista, transformado em ditado chinês, passado de geração para geração, publicado no livro O Segredo e transmitido até você pela sua avó, todo estudante deve fazer o necessário para ser aprovado em suas devidas instituições de ensino; o famoso "quem não cola não sai da escola". Neste post contarei as nossas táticas, legais ou politicamente incorretas, para passar até nas materias mais difíceis da faculdade. Para quem irá entrar em alguma Universidade que exige um pouco mais dos alunos (públicas geralmente) serão dicas muito úteis. Não são colas, são dicas mesmo, mas prefiro falar em táticas ou estratégias, pois são artimanhas desenvolvidas por gerações de estudantes para um objetivo: sair da Universidade. Quem acha que é dificil entrar é porque não sabe como é dificil sair


Tática nº 1. Primeiro você deve buscar informações sobre como o professor da matéria em questão aplica as provas, quais os conteúdos que costuma pedir, o grau de dificuldade, se pede só o que explica verbalmente ou o que passa na lousa, etc.. Essa informação é facilmente conseguida com alguns veteranos. Essa simples busca de informações já ajuda você a economizar muito tempo que usaria estudando coisas inúteis. Mas sempre faça uma média das opiniões dos veteranos, que as vezes pode ser divergentes.

Tática nº 2. Depois da primeira tática, usa-se a segunda, que é: não tirar todos os xerox que o professor mandar. Isso porque você NÃO VAI ESTUDAR TODOS. Geralmente são muitos e realmente não há tempo de estudar todos de todas as matérias, é só para gastar dinheiro e ocupar espaço em seu ap apertado! Melhor ainda, pegue os xerox dos veteranos, geralmente os mais chegados dão ou vendem por um preço simbólico. E o bom é que muitas vezes eles vem com anotações, resuminhos, esquemas e grifos... bem úteis!

Tática nº 3. Pegue resumos com seus veteranos, colegas ou faça um com seus amigos. Você pode formar um grupo com seus amigos e dividir a matéria da prova. Cada um faz o resumo da sua parte que foi divida e depois junta-se todos. Assim cada um tira o xerox necessario, e estuda o resumo da matéria toda. Se seus colegas de turma ja fizeram isso tente pegar deles, geralmente conseguimos com os mais chegados, e em outras ocasiões é você que pode ajuda-los...

Tática n° 4. Existe professores que deixam alunos gravarem as aulas. Legalmente é proibido, pelo menos nas Universidades publicas do Paraná. Mas se o professor deixar ta tranquilo. Um mp3 player gravando da mesa do mestre já é ótimo. Quando for estudar para a prova ouça a gravação o maior número de vezes possivel, acompanhando as anotações no caderno. Se um professor não deixa gravar suas aulas, tente descobrir se ele não deixava. Talvez você encontre, com veteranos, aulas gravadas em anos anteriores. Aconteceu isso com meus calouros e então passei as aulas que havíamos gravado. Aprenda tambem a guardar materiais desse tipo, pode ser útil para troca de favores.

Tática nº 5. Tem muita gente que não sabe, mas em todas as Universidades existe provas resolvidas circulando entre os mais espertos. O negócio começa assim: quando os alunos recebem as provas para conferir é facil tirar varias fotos delas. Feito isso, facilmente confecciona-se uma prova resolvida de forma correta e que pode servir para estudar se caso alguem pegar exame. É mais útil ainda para os calouros que terão a matéria pela primeira vez, pois muitas questões são semelhantes e se o professor não souber do esquema geralmente repete questões. 

Tática nº 6. Sempre estude junto com veteranos, eles possuem experiencia na matéria e as provas resolvidas, que passará apenas para os chegados. Ajude-os, eles ajudarão quem ajudar eles. 

Tática nº 7. Quando duas ou mais provas de matérias dificeis são marcadas em datas muito próximas, organize um abaixo-assinado para mudar as datas e encaminhe para o colegiado. Se todos assinarem eles são obrigados a aceitar a requisição. Isso é muito importante pois pior do que uma prova dificil são varias provas dificeis em datas proximas, o que, as vezes, impossibilita até o uso das Táticas. 

Tática nº 8. Estude de forma eficiente e organizada usando todas as táticas possiveis para cada matéria. Isso te dará tempo para fazer muitas coisas na faculdade além de estudar. Nunca esqueça das Táticas. As vezes pela matéria ser facil relaxamos e, assim, ela se torna mais dificil.

E mesmo com as provas resolvidas, os resumos e gravações, a chance de pegar exame ou dependência continua existindo, tamanha a dificuldade de algumas matérias. Não é á toa que existe as Táticas! Elas são frutos de anos de experiencia de várias gerações de estudantes politicamente não tão corretos...

22 junho 2010

A Filosofia do Foda-se

Dentre tantas lembranças da faculdade, que aos poucos vou relatando no blog, recordei da filosofia que bolei para ajudar um amigo. Na verdade foi meio que bolada por todo mundo, pois onde eu ia houvia alguem falando "que se foda", "foda-se", "liga o foda-se". Essas indignações são bem comuns no corpo dicente de universidades, demonstrando a frustração que muitos estudantes possuem com o método arcaico de ensino que ainda impera no nosso país... Mas foda-se! Partindo dessas premissas resolvi desenvolver uma nova corrente filosófica contemporânea: a Filosofia Do Foda-se.

 Depois da filosofia surgir na Grécia antiga, na Escola de Mileto, com seus grandes pensadores Tales, Anaxímenes, Anaximandro; depois dos Sofistas desmantelarem o Estado e os mitos da época, defendendo a Democracia e a verdade relativa; depois de Protágoras pronunciar a grande frase "o homem é a medida de todas as coisas", reconhecendo a filosofia como meio de entender o homem; depois de Sócrates dizer "só sei que nada sei"; depois da filósofia separar da ciência (e vice-versa) e Platão sonhar com uma caverna só para ele, com muitas sombras e uma fogueira para aquecer, eis que surge a grande Filosofia Do Foda-se, com o pronunciamento uníssono coletivo da célebre e unânime frase "foda-se".


Aqui é bom diferenciar a expressão comum "foda-se", da Filosofia Do Foda-se. A primeira é usada no dia a dia significando "deixa pra lá", "não me importo", "to nem aí" (Luka, 2005). Deste modo existe o foda-se filosófico e o foda-se não filosófico. Ao contrario do foda-se "comum", o filosófico tem que ser visto sempre como algo que  faça as pessoas superarem medos e desafios e que coopera para o crescimento e desenvolvimento humano. Neste ponto essa filosofia aproxima-se do Positivismo. Na verdade o Foda-se é Positivista, e os dois fazem parte da Corrente Humanista.

A Filosofia do Foda-se faz parte da corrente Humanista, iniciada em Protágoras, pois tem o homem (no sentido de humanidade) como primeira preocupação. Mas aqui a nossa filosofia volta a se aproximar da ciência, pois possui um cunho prático. A filosofia do foda-se não limita-se apenas ao mundo das idéias, mas possui um fenótipo extendido até a praticidade de nossas vidas. Ela é uma ponte entre o que pensamos e o que fazemos. É resumida em apenas uma idéia, "foda-se", que se for aplicada de forma correta, nos mais variados contextos, serve como um potente modo de realização e desenvolvimento humano.

Analisando o zeitgeist das últimas décadas há evidencias de que a idéia da Filosofia do Foda-se ja estava pairando no ar há muito tempo. Por exemplo, quando Juscelino Kubitschek lançou o plano economico 50 anos em 5, com certeza ele estava usando o foda-se, pois se pensasse melhor seria 5 anos em 50, como aconteceu... Mas sem o foda-se não há audácia, não há quebra de dogmas e paradigmas. O Foda-se chegou para quebrar barreiras e preconceitos. 

Na prática o Foda-se pode ser aplicado da seguinte maneira:  Por exemplo, se você precisa arrumar um emprego e o dono da empresa é seu antigo colega do ginásio que você zuava até não querer mais, você vai ficar preocupado com isso? Foda-se! Ele pode nem lembrar disso, ou no máximo não te dar o emprego, pelo menos você tentou! 

Você quer pegar aquela gata da academia, que parece estar dando moral? Você está com medo de levar um toco? Foda-se! Ela pode estar te dando moral mesmo e só esperando você chegar nela; ou se você não é dos mais galantes, ela pode gostar de caras inteligentes como você. É mehor tentar do que ficar chupando dedo! E pelo menos ela vai te achar um cara com muita coragem, ponto pra você!

Precisa pedir dinheiro para o seu pai para pagar o conserto do carro dele, que você amassou depois de pega-lo escondido? Mentalize o Foda-se e fale a verdade, é melhor que pedir dinheiro de agiota, ou traficante, ou no banco, ou qualquer coisa!

Em suma o Foda-se só pode te ajudar, induzindo-o à verdade, a não ter medo de encarar as burradas que você faz e te ajudando na hora de conversar com um professor mal encarado, uma garota bonita ou sua orientadora que está farta de você não fazer a monografia e não pode nem ver você na frente. Ligue o Foda-se e tome coragem! Só vai fazer bem para você! Foi assim que meu amigo Thiago formou-se em Biologia depois de algumas tentativas frustradas (antes do Foda-se é claro!). Foi o primeiro a usar a Filosofia do Foda-se na prática e demonstrar seus êxitos! Se eu desenvolvi a teoria, ele desenvolveu a prática! Minhas homenagens ao co-autor da Filosofia Foda-se: Thiago Wandscher.

Ps: Estaremos (no gerûndio mesmo, foda-se) publicando o artigo na revista Kriterion, a mais conceituada na área.

Referências Bibliograficas

Wikipédia
Fig 1: http://raoni_viva_yo.zip.net/
Fig 2: http://emerson.bahia.zip.net/images/fodase.JPG

31 maio 2010

A Mente Descontínua

Muito da dificuldade da maioria das pessoas em compreender a evolução é devido ao fato de nós possuírmos um raciocínio e compreensão do mundo com o senso do descontínuo. Nossa percepção e senso comum nos diz que tudo tem que ter um intermediário bem delimitado. E assim, tudo tem que ter um inicio exato e, assim, um intermediário exato. Não percebemos o continuum que de fato permeia quase todas as coisas e eventos.

Algumas perguntas que a mente descontínua faz são do tipo, "qual foi o momento exato que surgiu o bipedismo" (locomoção com as duas pernas de forma ereta)?; "em que momento perdemos os pêlos do corpo?"; "quando surgiu a consciência?". Isso provem da mente descontínua, e é refletido em questões sociais, como, por exemplo, datas exatas em que uma criança se torna adolescente, jovem, adulta. Outro exemplo, menos voltado para o tempo-espaço, mas tambem um reflexo da nossa mente descontínua e particionalistica é a divisão que fizemos da realidade em diversas áreas do conhecimento (Física, Química, Biologia...) para facilitar a compreensão por parte dessa mesma mente separatista e classificatória.

Mas se pensarmos bem, não é assim que as coisas funcionam. O universo não se formou todo delimitado e organizado apenas para nós o entendermos. Não existe uma data certa, muito menos um indivíduo exato, em uma linhagem evolutiva, que foi o primeiro a andar em pé, ou o primeiro a não ter pêlos. Não há como sabermos o instante exato em que uma criança passa a ser adolescente ou jovem ou adulta.

Difícil de ir contra o senso comum? Deixe eu explicar melhor.

Um exercício mental para clarear as coisas é o seguinte: Imagine tirarmos fotos de segundo em segundo, de uma criança, acompanhando seu crescimento/desenvolvimento, durante toda sua vida; e depois tentarmos achar uma foto que indique o momento exato que esse indivíduo desenvolveu barba, nasceu o primeiro dente, entrou na puberdade, se tornou adulto, qualquer coisa. Isso é impossível, pois todas as fotos imediatamente antecedentes ou precedentes serão idênticas com a foto que escolhermos, pois estarão distantes umas das outras por apenas um segundo. Desta forma é impossível escolher uma foto exata em que ocorre uma mudança perceptível. Usamos a escala de segundos para medir o tempo; mas poderíamos usar milésimos de segundos no exemplo das fotos, ou qualquer intervalo de tempo. Só veremos diferenças se pegarmos duas fotos bem distantes uma da outra e consequentemente e tempos bem distantes. Dessa forma quanto maior o espaço de tempo entre as fotos melhor para a mente descontínua.

Isso ocorre com quase tudo no universo. Se imaginarmos as fotos do individuo em crescimento trocadas por ancestrais em uma linhagem evolutiva, o resultado será o mesmo. É impossível determinar a data e o individuo exato em que surgiu uma caracteristica como o andar bípede, a inteligência ou a perda de pêlos.
                                              Fig. 1. A grande corrente humana evolutiva.

Modificando a analogia, podemos imaginar uma corrente "humana" começando em nós e ascendendo até o ancestral comum entre nós e os chimpanzés (algo parecido com um gorila). Mentalmente daremos as mãos, formando uma corrente, para nossos ancestrais, começando pelo seu pai ou sua mãe (tem que escolher um caminho entre milhares), que darão a mão para um dos seus 4 avós, que por sua vez agarra na mão de um de seus 8 bisavós etc. Imaginemos essa super corrente humana fictícia chegando até o ancestral comum entre nós e os chimpanzés. Se fossemos medir a distancia percorrida, incrivelmente essa corrente teria apenas 600 km, (Dawkins, 2006). Mas mesmo assim se quiséssemos delimitar quando termina a nossa espécie e começa o Homo ergaster ou Homo erectus não conseguiríamos: é impossível. Se pudéssemos olhar para qualquer individuo na fila e os indivíduos logo á sua frente e atrás não veríamos nenhuma estrutura nova ou perdida ("evoluída"). Todos os indivíduos, evolutivamente falando, seriam iguais aos indivíduos próximos.

Fig. 2. Um descontínuo de milhões de anos.

Desta forma é impossível encontrarmos o individuo exato onde surgiu uma característica nova. Na figura  acima vemos um descontínuo de milhões de anos. Se estivessemos olhando para o continuum de indivíduos, nesta foto (a fila ascendente imaginária), não conseguiríamos dizer em qual momento exato uma espécie passa a ser outra. A nomenclatura em espécies só é viável porque os milhares de intermediarios estão extintos. O que vemos hoje são indivíduos solitários de lugares distantes dos colossais álbuns de fotos da vida ou das milhares de correntes evolutivas. Isso é o que ocorre com os fósseis. Só vemos os fósseis bem distantes uns dos outros (em milhões de anos).

                               Fig. 3. "Operários", óleo sobre tela de Tarsila do Amaral.

Essa "mania" de ver tudo em descontínuo também ocorre para a cor de nossas peles. Existe milhões de tons diferentes de pele. Se colocássemos milhares de pessoas em fila indiana, cada uma com um tom de pele diferente, indo do branco em um extremo ao negro no outro, não conseguiríamos diferenciar os tons de pessoas próximas. Não conseguiríamos distinguir onde começa e onde termina os pardos, negros ou brancos. Cada pessoa logo a traz na fila, ou logo a frente, parecerá ter o mesmo tom de pele da pessoa do meio. Só conseguimos classificar pessoas em brancas, negras ou pardas porque não vemos os milhares de intermediários, apenas lidamos com os extremos. Os tons de pele constituem um continuum, como as fotos de segundos em segundos e as linhagens evolutivas.

Mas parece muito difícil nos livrarmos do controle da Mente Descontínua e compreendermos o continuum que perfaz a vida. Talvez devemos fazer um esforço, pois a Mente Contínua não possui espaço para tantos preconceitos e incompreensões.

Éssa é a idéia!

28 maio 2010

O Feminismo ainda é o mesmo?

Por milênios as mulheres foram submissas aos homens, por quê? 

Antes da revolução agrícola e da formação de pequenos núcleos de humanos sedentários, que viriam a formar cidades e mais tarde Estados, o poder masculino se dava por uma característica inerente á nossa espécie: os homens eram caçadores e as mulheres cuidavam da cria, como em muitas das espécies animais. O corpo e fisiologia do macho do Homo sapiens foram “projetados” para a caça. Homens possuem maior poder de visão á longa distância, maior poder de memorização de lugares, ossos e músculos mais fortes, etc.. Enquanto mulheres estão mais adaptadas ao cuidado parental, como visão periférica, capacidade de fazer múltiplas tarefas, etc..

Já gostaria de antecipar que não quero criar nem me basear em uma ética/moral provinda de argumentos evolutivos. Estou, por enquanto, apenas tentando explicar a irrefutável dominação que o sexo masculino teve sobre o sexo feminino durante milhares de anos; muito mais baseado na força do que outra característica.

Como de praxe, o gênero mais forte ou que possui algum tipo de poder (vantagem) sobre o sexo oposto,  geralmente é o dominador. Homens mais fortes possuem mais testosterona, homens com maiores níveis de testosterona são comprovadamente mais agressivos. Homens fortes e agressivos projetados para a caça, conseguem comida; quem tem comida e é forte tende a ser o dominador. Isso foi muito necessário para a sobrevivência dos nossos ancestrais, se não fosse teríamos evoluído de maneira direfente. Com isso a cultura nasceu sob a dominação masculina, e isso reflete socialmente até os nossos dias.

Até recentemente mulheres não possuíam direito a voto, ficavam excluídas da política, religião (muito por causa desta), artes, ciências e muitas áreas profissionais, dominadas pelos homens. Neste ponto o feminismo surgiu para acabar com essa dominação social e igualar os direitos das mulheres com o dos homens. Neste sentido o feminismo chegou tarde ás nossas sociedades. Como a sociedade e a cultura são invenções humanas, independentes de força muscular ou algo evolutivo do tipo, é um absurdo ocorrer discriminação no âmbito de gênero. Mulheres possuem as mesmas capacidades e limitações que os homens. Lógicamente que devemos respeitar as diferenças, como exemplo o motivo primordial da dominação masculina: a força. Existe áreas em que homens são melhores que mulheres, como na área de construção civil, que exige força muscular. Outras áreas as mulheres se dão melhor, como o de Assistência Social, por exemplo. Mas suprimir direitos e oportunidades é outra história.

Até aí tudo bem. O problema se inicia quando muitas mulheres começam a esquecer o sentido original do feminismo e achar que ele é o oposto do machismo. E isso ocorre principalmente em países do "terceiro mundo" onde ocorre uma conturbação do sentido original do feminismo. Mas tenho que deixar bem claro que a culpa não é só das mulheres, é social, pois muitos homens também não compreendem bem esse movimento assim como a mídia em geral.

Todos sabem que o machismo é preconceituoso, rudimentar e maléfico para a sociedade, por isso devemos acabar com ele. Só que está ocorrendo uma interpretação do feminismo como sendo o oposto do machismo, um “machismo feminino”. Agora vou usar a principal característica do machismo para argumentar este ponto de vista: a promiscuidade.

Mulheres estão confundindo feminismo com “promiscuísmo”. Todos sabem que os homens no geral sempre traíram mais suas esposas. Biologicamente, esse impulso sexual constante para a fecundação do maior número de fêmeas possíveis é compreensível, apesar de não justificável. Logicamente que, depois que adquirimos consciência e inteligência, não podemos mais agir por um impulso evolutivo do passado. Se agíssemos com os mesmos impulsos então seria quase impossível viver em sociedade, pois assassinatos, estupros e roubos (apesar de às vezes serem punidos) foram comuns durante nossa evolução e é comum em muitas sociedades de primatas. Essa espécie de pós-feminismo ou feminismo conturbado está muito relacionada com o aumento da promiscuidade feminina, indicada em muitos estudos, e sem uma compreensão biológica, como ocorre com os homens (apesar de não justificar); reforçando ainda mais meu ponto de vista: é algo com raízes sociais e eu acho que provêm de uma má interpretação do feminismo.

A promiscuidade sempre esteve ligada direta ou indiretamente ao machismo. Agora, estando ligada ao feminismo, é uma evidencia de que esse movimento está sendo encarado por muitas pessoas como o oposto do machismo; se for o oposto do machismo então temos outro problema com que lidar. Estou usando a promiscuidade para desenrolar a argumentação porque sempre é algo prejudicial e que por parte das mulheres vem aumentando muito desde o surgimento do "feminismo conturbado", mas poderia usar outras características do machismo que está se incorporando ao feminismo.

Tanto a promiscuidade feminina quanto a promiscuidade masculina são prejudiciais e não contribuem em nada para o aumento da felicidade geral de um povo e, pelo contrario, do modo que nossa sociedade e cultura estão estruturadas, trazem infelicidades e prejuízos às relações humanas. Para fundamentar esse ponto de vista continuarei não usando argumentos biológicos. Irei justificar condutas humanas com argumentos antropológicos e sociais.

De todas as sociedades estudadas por antropólogos, mais ou menos metade são sociedades poligâmicas. E machistas, porque cada homem pode ter mais de uma mulher, mas não o oposto... Mas mesmo essas sociedades punem as pessoas (homens e mulheres) promiscuos. É bom distinguir bem promiscuidade de poligamia. São coisas bem diferentes.

Não quero implantar nenhum tipo de moralismo ou princípio. Apenas acho que o machismo e suas características, assim como o Feminismo encarado como o oposto do Machismo, não contribuem em nada para a felicidade geral de um povo. Não precisamos ser moralistas quando podemos ser racionais. Ser racional é analisar entre situações sustentáveis e prejudiciais e chegar á conclusão de qual a melhor maneira de se viver. E a melhor maneira de se viver com certeza é sem o Machismo e sem esse "Feminismo" conturbado...

11 maio 2010

Especiação e Amizades


Sabe o que especiação tem a ver com amizades? Primeiro vou explicar o que é especiação (para quem não sabe) e isso já dará uma luz sobre essa idéia.

Especiação é um dos modos de uma espécie dar origem a outras duas (espécies) descendentes. O exemplo mais famoso e mais compreendido é a especiação geográfica, onde uma população de indivíduos da mesma espécie é separada por algum obstáculo como, por exemplo, montanhas, rios, ou qualquer coisa que isole aquela população inicial em duas populações que não se cruzam entre si. Isso faz que, com o passar dos milhões de anos, cada população isolada se diferencie em espécies diferentes.

E o que isso tem a ver com nossos amigos? Se pensarmos bem, a especiação serve de analogia para o que acontece, inevitavelmente e quase sempre, com nossos amigos... É só questão de tempo...

Um dia a separação acontece e o que sobra é a saudade.


Uma boa amizade depende de muitos fatores, como conversas interessantes para os dois lados, brincadeiras do mesmo estilo, mesmos hobbyes, gostos etc. Logicamente que existe amizades que não compartilham de muitas coisas, talvez não possuam quase nada em comum, mas nesses casos com certeza algo muito importante para as duas partes os une... Se não fosse assim é difícil imaginar duas pessoas sendo amigas! "Falo" de amizade verdadeira, não coleguismo.

Agora vamos à nossa analogia. Esses amigos de verdade são como se fossem da mesma espécie, compartilham muitas características. Mas com o tempo as coisas podem mudar. E principalmente se ocorrer uma separação geográfica. E vai ocorrer... Algum dia seu amigo vai estudar longe, começar a namorar, trabalhar (você também, espero), e as coisas irão mudar... É, o mundo é cruel. Quando isso ocorrer, os amigos separados começam a divergir "geneticamente" mudando "fisiológica" e "morfologicamente". Isso é traduzido em muitos gostos, pensamentos, brincadeiras e hobbyes diferentes. Como na especiação, também aqui é diretamente proporcional ao tempo de isolamento.

É por isso que muitas amizades são fortalecidas com a convivência e enfraquecidas com a distância. Mas não sou de todo pessimista. É possível continuar amizades que ora foram boas e longas amizades, mesmo com muito tempo de distanciamento. Mas nesse caso também há algo forte que continua os unindo: as lembranças! Por isso nunca deixe de contar histórias e lembrar do bom e velho (literalmente) passado. Esse blog é um exemplo disso, temos muitas "histórias verídicas" para contar.

Ps: Essa idéia que a separação geográfica influencia na amizade entre pessoas é bem óbvia. Talvez muitas pessoas simplesmente não param para pensar nisso... Mas a analogia com a especiação biológica é muito boa.

Pss: A especiação geográfica entre amigos é apenas uma das situações relacionadas ao relacionamento humano que é possível fazer a analogia com a especiação biológica. Socialmente, quase todos os relacionamentos humanos são influenciados pela separação geográfica, positivo ou negativamente (dependendo do ponto de vista). Mas isso é outra história (ou outras idéias)...

27 março 2010

Piadas Inteligentes l

Digite no google "piadas inteligentes" e você vai encontrar qualquer coisa menos piadas inteligentes. Por isso, resolvi fazer uma série de postagens com as piadas mais inteligentes e divertidas que conheço, a maioria delas são de um livrinho de filosofia explicada com piadas. Se não achar graça leia de novo, porque você não entendeu! hehehe.

Um homem de 90 anos vai ao médico e diz:
- Doutor, minha esposa de 18 anos está esperando um bebê.
O médico diz:
- Vou contar uma história ao senhor: um homem saiu para caçar, mas em vez de espingarda, pegou por engano um guarda-chuva. Quando, de repente, um urso atacou o homem, ele pegou o guarda chuva, atirou e matou o urso.
O homem disse:
- Impossivel. Algum outro caçador deve ter matado o urso.
O médico falou:
- Exatamente!

Quando Thompson completou 70 anos, resolveu mudar de vida completamente para poder viver mais tempo. Fez um regime rigososo, corria, nadava e tomava banhos de sol. Em apenas 3 meses, Thompson perdeu 15 quilos, reduziu 15 centimetros de cintura e expandiu 12 centímetros o diâmetro do tórax. Esbelto e bronzeado, resolveu coroar isso tudo com um novo corte de cabelo. Ao sair do cabaleireiro, foi atropelado por um ônibus. 
Agonizante no chão, gritou:
- Deus, como pôde fazer isso comigo?
E uma voz no céu respondeu:
- Para falar a verdade, Thompson, não reconheci você.

Uma mulher é informada pelo médico que tem seis meses de vida.
- E eu posso fazer alguma coisa? - pergunta ela.
- Pode sim - replica o médico. -Pode casar cum um contador. 
- Como isso vai ajudar na minha doença? -  a mulher pergunta. 
- Ah, não vai ajudar nada na sua doença - diz o médico - , mas vai fazer esses seis meses parecerem uma eternidade!

Um homem estava passando com seu automóvel na frente de um manicômio. Não conseguiu desviar e passou por cima de uma pedra, que estava no meio da rua. Com o impacto, um pneus furou e os parafusos da roda se quebraram. Ele possuía um stepe para recolocar no lugar da roda mas não tinha parafusos. 
Depois de muito pensar em como resolver seu problema um paciente do manicômio  lhe gritou: 
- Ei, tira um parafuso de cada roda, assim todos vão ficar com três e você resolve o problema! O homem achou aquilo muito inteligente, agradeceu e gritou de volta.
- Ei, o que um cara inteligente como você  esta fazendo em um manicômio? 
O homem responde.
- Eu estou aqui porque sou louco, não porque sou burro!

Um cavalheiro judeu mais velho se casa com uma moça e os dois estão muito apaixonados. Porém, por mais que o marido se esforce sexualmente, a mulher nunca atinge o orgasmo. Como a esposa judia tem direito ao prezer sexual, eles decidem falar com o rabino. O rabino ouve a história dos dois, alisa a barba e faz a seguinte sugestão:
- Contratem um rapaz forte e sadio. Enquanto vocês estiverem fazendo amor, mandem o rapaz abanar uma toalha em cima de vocês dois. Isso vai ajudar sua mulher a ter fantasias e deve provocar um orgasmo. 
Eles voltam para casa e seguem o conselho do rabino.  Contratam um lindo rapaz e ele fica sacudindo uma toalha em cima deles enquanto fazem amor. Não dá certo e ela continua insatisfeita. 
Perplexos, os dois voltam ao rabino
- Tudo bem - diz o rabino ao marido -, vamos tentar o contrário. O rapaz faz amor com sua mulher e você fica abanando a toalha em cima deles.
Mais uma vez, eles seguem o conselho do rabino. O rapaz vai para a cama com a esposa e o marido abana a toalha. O rapaz se põe a trabalhar com grande entusiasmo e a esposa logo tem um enorme, trepidante, ruidoso orgasmo. 
O marido sorri, olha para o rapaz e diz, triunfante:
- Idiota, é assim que se sacode uma toalha!

Um homem entra em uma loja de animais e pede para ver papagaios. O dono da loja mostra para ele dois lindos papagaios soltos no chão.
- Este custa 5 mil dólares e aquele 10 mil - diz o dono da loja.
- Nossa - diz o homem. - O que esse de 5 mil sabe fazer!
- Esse papagaio sabe cantar todas as árias de Mozart.
- E o outro?
- Aquele canta o ciclo do anel de Wagner inteirinho. Tem outro papagaio lá dentro que custa 30 mil.
- Nossa Senhora! O que esse faz?
- Eu não o ouvi cantando nada, mas os outros dois o chamam de "maestro".

Um réu estava sendo julgado por assassinato. Havia fortes provas que indicavam sua culpa, mas não havia cadáver. Em seu discurso final, o advogado de defesa recorreu a um truque.
- Senhoras e senhores do júri - disse ele. -Tenho uma surpresa para todos vocês: dentro de um minuto, a pessoa que se presume morta entrará neste tribunal.
E olhou para a porta do tribunal. Todos os membros do júri, perplexos, olharam ansiosamente. Passou-se um minuto. Nada aconteceu. Por fim, o advogado disse:
- Na verdade, inventei essa história do morto entrar. Mas os senhores todos olharam para a porta com expectativa. Portanto, coloco aos senhores que neste caso existe uma dúvida razoável sobre o assassinato e devo insistir que dêem um veredicto de "inocente".
O júri se retirou para deliberar. Poucos minutos depois voltou e pronunciou o veredicto de "culpado".
- Como puderam fazer isso? - gritou o advogado. -Os senhores deviam ter alguma dúvida. Eu vi quando todos olharam para a porta.
O porta voz do júri replicou:
- Ah, nós olhamos, mas seu cliente não.


Piadas Inteligentes ll em breve.

25 março 2010

Coisas de Ninja l

Todo menino gosta de ver filmes de luta e sair brincando de lutinha com os amigos. É um negocio instintivo: lutar, competir, ser mais forte. Acho que quando somos criança agimos de forma mais instintiva, fazemos mais o que gostamos e deixamos de pensar um pouco nas consequencias.

Fazer e não pensar é com essa menininha chinêsa, no final levou um golpe de Karatê heheheh

Quando crescemos ficamos cheios de responsabilidade e acabamos corrompidos pelo modo moderno de se viver. Nem todos... Alguns continuam querendo dar uma de Ninja


Como é o caso do nosso amigo Ronivaldo Tavares...

Primeiro vamos falar sobre a arte Ninja. Eles eram uma organização marcial secreta que habitava as províncias de Iga e Kōga, no Japão Feudal (século XIV). Eram conhecidos por suas habilidades de infiltração. Forneciam serviços em troca de pagamento, e seus trabalhos envolviam espionagem, assassinato, sabotagem, dentre outros. Ninjas eram mais eficientes em usar armadilhas, armas ocultas e inteligência do que no combate em campo aberto. Entre as inúmeras técnicas do Ninjutsu, estão: a arte da invisibilidade, luta desarmada e armada (envolvendo o manejo de espada, bastão, lança, armas com correntes e outras mais exóticas), pressão de pontos vitais (o que podia levar o adversário a dores insuportáveis ou até mesmo à morte), técnicas de fuga, métodos de caminhar silenciosamente, escalada de obstáculos, luta dentro d'água, envenenamento, hipnose, treinamento de flexibilidade das juntas (o que facilitava fugas de amarras) e, finalmente, a arte dos disfarces, que envolvia também técnicas de dramatização, o que possibilitava o ninja se passar por outras pessoas.

Hoje em dia os Ninjas foram substituídos pelo Chucki Norris, não sobrou lugar pra mais ninguem, vejam alguns exemplos:

                                             Aqui Chuck ainda nenêm



                                 Aqui o seu gatinho, parece que ele andou treinando o bixano!


                                       O papel higienico do Chuck Norris



                                 Quem derrotou os 300?


                                 "Chick Norris esteve aqui"



                                  Agora sabem porque Bin Laden está desaparecido!

Digitem no google chuck norris e cliquem no botão "Estou com Sorte"; vai aparecer a seguinte mensagem: "O Google não vai procurar Chuck Norris porque sabe que não é você que encontra Chuck Norris, ele encontra você." Veja na imagem abaixo o teste que fiz.


Eu sempre gostei de artes maciais, tanto que fiz dois anos de Jut Bo; é, ninguem conhece isso ae. Pratiquei dos 10 aos 12 em Marialva, no norte do paraná, pertinho de Maringá.
Mas nunca chegei no nível desse carinha ae:


Pelo que eu fiquei sabendo na época, o mestre e inventor da arte ainda estava vivo, era Japonês, e as vezes visitava o Brasil. Jut Bo é uma espécie de mistura entre Kung Fu, Box Tailandês, com golpes de Karatê e outras coisas que nao consegui identificar.


                                Meu pai foi morto por um ninja… Preciso de dinheiro pra aulas de karatê!


Mas isso tudo não é nada comparado com as proezas do nosso amigo Ronivaldo Tavares.

Certa vez estavamos Eu, Rodrigo e Roni andando nos asfaltos que expliquei neste post. Em uma certa "altura" da andança o Roni resolveu escalar um paredão de rocha; sabe aqueles paredões de rocha que se formam quando o asfalto corta a montanha (pra ficar no mesmo nível)? Então, esse tipo de escalada sem cordas, sem equipamentos e em uma altura de uns 20 metros é pra Ninja! E o Roni como é bem macho + Ninja = Chuck Norris, resolveu escalar aquele paredão nas condições que citei.

Começou tranquilo, no inicio as rochar eram todas bem fixas, e se algo desse errado era facil descer. Eu e o Rodrigo ficamos olhando. Rapidamente ele chegou no meio do paredão. O problema é que la ele encontrou rochas soltas; por varias vezes ele agarrou nelas e quase caiu, ficando preso apenas por um braço.

E nós la embaixo: esperavamos passar carros ou pessoas no local e fingiamos que estavamos desesperados porque o nosso amigo estava tentando cometer suicidio. Quanta risada!! Depois começamos a perceber que o negocio tava mais sério. O coitado do Roni chegou na metade do paredão e não conseguia subir nem descer, ficou empacado. Por mais que não parece, a situação estava bem engraçada! Começamos a gritar que ele podia ficar tranquilo que iamos chamar o Corpo de Bombeiros, a policia, a Defesa Civil, os pais e a imprensa local.  Depois de algum tempo e muitas tentativas de desempacar do local, conseguiu acabar de subir. Quando ele chegou no topo dava pra ver as pernas dele tremendo! Isso não é coisa de Ninja! Aqui vai um link para o Roni aprender a ser Ninja.